Salgado diz que “tudo valeu” para o condenar

  • Lusa
  • 9 Março 2017

O ex-presidente do BES fez um pedido de impugnação da decisão do Banco de Portugal, e afirma que foi sujeito a uma “condenação antecipada e anunciada em plena praça pública”.

O ex-presidente do BES afirma, no pedido de impugnação da decisão do Banco de Portugal que esta semana começou a ser julgado em Santarém, que “tudo valeu” para o condenar e que foram ignorados elementos “que impunham uma absolvição”.

O Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão (TCRS), em Santarém, está a julgar, desde segunda-feira, o pedido de impugnação da contraordenação de quatro milhões de euros aplicada pelo Banco de Portugal (BdP) ao ex-presidente do BES, Ricardo Salgado, bem como o recurso interposto por Amílcar Pires, condenado ao pagamento de 600.000 euros e inibição do exercício de cargos financeiros durante três anos.

Ricardo Salgado foi condenado pelo BdP, em agosto de 2016, ao pagamento de quatro milhões de euros, e ainda a inibição do exercício de cargos e funções em instituições financeiras por 10 anos, por, nomeadamente, ter permitido que fossem comercializados títulos de dívida da Espírito Santo Internacional (ESI) junto de clientes do BES apesar de conhecer a situação líquida negativa da ESI.

No pedido de impugnação, consultado pela Lusa, Ricardo Salgado lamenta que o BdP tenha feito tudo para o condenar, a começar pelo anúncio das medidas de resolução ao BES em conferência de imprensa, apenas três dias depois da deliberação de instauração do processo de contraordenação, numa “condenação antecipada e anunciada em plena praça pública”.

Refere ainda, entre outros, a não gravação das inquirições antes da acusação (criticada pela Relação de Lisboa), o impedimento de produção de prova requerida por certos recorrentes, a “delação premiada” (inquirição de arguidos como testemunhas), ter permitido perguntas a uns mandatários e impedido a outros e a absolvição de arguidos apesar de dar como provado que sabiam que estavam a aprovar e a assinar contas falsas da ESI.

“Tudo valeu”, lê-se no pedido de impugnação apresentado junto do TCRS contra “um julgamento em causa própria, mas também em casa própria”, em que foram aproveitados elementos sem credibilidade e ignorados elementos credíveis “que impunham uma absolvição”.

Para o antigo banqueiro, o que se fez na fase administrativa foi “mera formalidade para executar uma decisão já tomada” ainda antes de qualquer diligência de instrução. “Foi uma farsa”, afirma, assegurando que vive de consciência tranquila com os factos, as provas e o direito e na convicção de que este julgamento será “sereno” e “objetivo”.

Segundo o processo consultado pela Lusa, Salgado foi acusado da prática de atos dolosos de gestão ruinosa praticados em detrimento de depositantes, investidores e credores, mas também por situações como a comunicação ao BdP de um aumento do valor do ativo da ESI em mil milhões de euros “que sabia não existir, deste modo ocultando a falência técnica e insustentabilidade da ESI e o impacto que teria nas diversas entidades financeiras do GES [Grupo Espírito Santo] e condicionando a avaliação da suficiência e adequação das medidas adotadas pelo BdP”. O julgamento, que tem sessões marcadas de segunda a quinta-feira das próximas semanas, está em fase de inquirição de testemunhas, depois de ouvido o depoimento de Amílcar Pires.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Salgado diz que “tudo valeu” para o condenar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião