Fernando Ulrich enviou carta a Carlos Costa para repor “a verdade dos factos”

  • ECO
  • 11 Março 2017

O presidente do BPI enviou uma carta ao governador do Banco de Portugal onde contestou afirmações que Carlos Costa fez, em entrevista ao Público, sobre os alertas de Ulrich para a situação do GES.

O presidente do conselho de administração do BPI, Fernando Ulrich, enviou uma carta ao governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, para repor “a verdade dos factos” sobre os alertas que fez, em 2013, em relação ao Grupo Espírito Santo (GES), revela este sábado o Público. A ação de Ulrich foi provocada por afirmações de Carlos Costa ao jornal, desvalorizando os alertas que o banqueiro lhe terá feito sobre a fragilidade do GES.

Em entrevista ao Público, o governador do Banco de Portugal desvalorizou o papel de Fernando Ulrich nas chamadas de atenção para o problema do GES. Reconhece que o presidente do BPI lhe entregou um documento, tal como tinha sido revelado pela reportagem da Sic, mas garante que “nesse momento, o Grupo GES já tinha sido identificado como uma das grandes entidades devedoras do sistema.” E diz mesmo: “O BPI entregou um documento que foi devidamente tido em conta, embora não acrescentasse ao que já conhecíamos.”

Sobre o teor do documento, Carlos Costa explicou ao jornal que este tinha sido “produzido num contexto diferente”, que o governador admite “que tenha sido de assessoria num conflito entre partes.”

Foi esta última afirmação que Ulrich contestou na carta enviada agora ao governador. “Esta afirmação não é correta, por isso enviei uma carta ao sr. governador do Banco de Portugal, na qual reponho a verdade dos factos”, conta o presidente do BPI, num email enviado ao Público.

Conforme recorda o jornal, Fernando Ulrich disse na comissão parlamentar de inquérito ao BES que enviou uma carta ao então ministro das Finanças, Vítor Gaspar, alertando para a concentração de dívidas de entidades do GES no Fundo ES Liquidez. Contudo, nesta comissão Ulrich não referiu a carta que terá enviado em agosto a Carlos Costa, com os mesmos avisos. A Sic noticiou que os dados referidos nesta carta ao governador terão sido fundamentados por uma análise de uma equipa de técnicos do BPI, feita com dados do conhecimento público.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fernando Ulrich enviou carta a Carlos Costa para repor “a verdade dos factos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião