Aprovada lei que autoriza Governo britânico a notificar Bruxelas da saída da UE

  • Lusa
  • 13 Março 2017

Proposta de lei para autorizar o Governo a notificar a UE da saída do Reino Unido foi aprovada pelo parlamento britânico, após a derrota na Câmara dos Lordes na votação de duas alterações.

A proposta de lei para autorizar o Governo a notificar a União Europeia da saída do Reino Unido foi hoje aprovada pelo Parlamento britânico, após a derrota na Câmara dos Lordes na votação de duas alterações.

As duas emendas pretendiam inserir no texto da lei um compromisso do Governo para que oferecesse garantias aos cidadãos europeus residentes no Reino Unido e uma obrigação de apresentar a escrutínio o acordo que resulte das negociações com Bruxelas sobre a futura relação com a UE.

Porém, após a rejeição destas emendas pela Câmara dos Comuns hoje à tarde, a maioria dos lordes entendeu existir pouca margem para conseguir cedências do Governo e inverter o sentido de voto da câmara baixa, onde o partido Conservador tem a maioria dos assentos.

A emenda para proteger os direitos dos cidadãos europeus foi derrotada por 274 votos contra e 135 a favor, enquanto que, na semana passada, a mesma proposta tinha arrecadado 358 votos favoráveis e 256 contra.

A proposta que daria um poder de veto ao Parlamento sobre o acordo que o Governo negoceie com Bruxelas foi derrotada por 274 votos contra e apenas 118 votos favoráveis, quando há uma semana 366 lordes tinham aprovado a proposta e só 268 votos foram contra.

A votação desta noite colocou assim fim ao processo legislativo da Lei da União Europeia (Notificação de Saída), que será apresentado à rainha Isabel II para ratificação, entrando imediatamente em vigor.

A partir desse momento, a primeira-ministra, Theresa May, poderá ativar o artigo 50 do Tratado da União Europeia, que determina o desejo de saída da UE, seguindo o resultado do referendo realizado a 23 de junho de 2016.

O Governo não revelou a data precisa da notificação, mantendo que acontecerá até ao final do mês de março.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aprovada lei que autoriza Governo britânico a notificar Bruxelas da saída da UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião