OCDE: Malparado continua a limitar investimento

  • Rita Atalaia
  • 17 Março 2017

O investimento privado e a realocação de recursos continuam a ser penalizados pelo grande peso do crédito malparado, diz a OCDE. Um problema no balanço dos bancos que limita a cedência de empréstimos.

Portugal tem de reduzir o peso da dívida das empresas no balanço dos bancos. O alerta consta de um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) sobre as reformas económicas de cada país para este ano. O investimento privado e a realocação de recursos continuam a ser penalizados pelo nível elevado de crédito malparado, sendo este um problema transversal ao setor financeiro nacional.

A OCDE deixa um alerta a Portugal: o país tem de reduzir o peso da dívida empresarial. “O investimento privado e a realocação de recursos estão a ser pressionados pelo elevado peso de crédito malparado [nos balanços dos bancos], o que limita a capacidade dos bancos para concederem empréstimos”, diz a entidade no seu relatório sobre as reformas económicas de cada país para 2017.

"O investimento privado e a realocação de recursos estão a ser pressionados pela quota elevada de crédito malparado [nos balanços dos bancos], o que limita a capacidade dos bancos para ceder empréstimos”

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico

Para resolver o problema do malparado, que é transversal a todo o setor financeiro nacional, a OCDE nota que os “procedimentos de insolvência e a reestruturação de empresas viáveis devem ser simplificados ao eliminar os direitos especiais de veto das autoridades fiscais”. Para além disso, deve melhorar-se o acesso da informação aos credores e responsáveis por estes processos de insolvência, aumentando o número de juízes nos tribunais.

A OCDE refere ainda que “maiores incentivos regulatórios podem levar os bancos a apresentarem planos credíveis para reduzirem o malparado, através de amortizações e vendas”. Uma questão que já tinha sido levantada pela entidade. No relatório apresentado no mês de fevereiro, a organização recomendou usar incentivos que levem os bancos a criar planos que “limpem” os empréstimos em incumprimento dos balanços. E usar penalizações para aquelas instituições financeiras que não o façam.

“Resolver o crédito malparado rapidamente é crucial para Portugal e exige uma abordagem abrangente”, alertou na altura. E agora volta a fazê-lo. No final de 2015, 11,9% dos empréstimos totais estavam em incumprimento, de acordo com dados do FMI, uma percentagem que é das mais elevadas na Europa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OCDE: Malparado continua a limitar investimento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião