Bernardo Trindade lidera estrutura de missão para captar investimento pós-Brexit

O antigo secretário de Estado e os empresários Chitra Stern e Gonçalo Lobo Xavier são os escolhidos para tentar captar investimentos para Portugal depois do Reino Unidos sair da União Europeia.

O antigo secretário de Estado do Turismo, Bernardo Trindade, vai ser o novo presidente da estrutura de missão que quer atrair investimentos para Portugal, aproveitando a saída do Reino Unido do projeto europeu.

A Portugal in, estrutura temporária que foi aprovada esta quinta-feira em Conselho de Ministros, vai ainda contar com Chitra Stern, a empresária que detém o Grupo Martinhal, e Gonçalo Lobo Xavier, vice-presidente do Comité Económico e Social Europeu e membro da Associação dos Industriais Metalúrgicos e Metalomecânicos e Afins de Portugal.

Esta estrutura, que está sob a dependência do primeiro-ministro, é temporária. Os responsáveis escolhidos para a comissão executiva, que trabalham em regime pro bono, têm um mandato definido até 31 de dezembro de 2019. A forma de funcionamento desta estrutura será bastante idêntica à estrutura de missão criada para a capitalização de empresas e liderada por José António Barros, antigo dirigente da AEP.

O objetivo, como especifica o comunicado do Conselho de Ministros, é “atrair para Portugal investimentos que pretendam permanecer na União Europeia após a saída do Reino Unido”. Investimentos que são considerados “essenciais para reforçar a competitividade da economia nacional”.

E como atrair estes investimentos? “Através dos fatores de diferenciação e complementaridade que Portugal oferece, nomeadamente ao nível do recursos humanos e da posição geoeconómica do país pretende-se dinamizar capacidade empresarial nacional e a criação de emprego”, explica o comunicado.

Aproveitar oportunidades

A estrutura de missão ainda não teve nenhuma reunião formal, mas o ECO tentou saber junto dos responsáveis desta estrutura como Portugal pode convencer os investidores a apostar no país.

Bernardo Trindade não quis avançar detalhes sobre qual será a estratégia da estrutura de missão. “Ainda é prematuro”, disse ao ECO, acrescentando que “o importante é começar a trabalhar”.

Já Gonçalo Lobo Xavier, falando apenas pela sua experiência e remetendo quaisquer esclarecimentos sobre o Portugal In para Bernardo Trindade, defende que uma das formas como as empresas portuguesas podem beneficiar deste novo cenário é “através de uma eventual participação em consórcios para infraestruturas”, já que “há uma série de investimento previstos para o Reino Unido e Irlanda nas áreas da ferrovia, aeroportos e estradas”.

O responsável da AIMMAP — um setor que exportou 14,7 mil milhões de euros o ano passado e que teve o Reino Unido como o quarto maior mercado de exportação com um crescimento de 20% — defendeu que o Estado português, “deve acompanhar, desde a primeira hora, na linha da frente as negociações de saída” do Reino Unido, uma posição “determinante para depois poder fazer acordos com todos os países”. “Há também oportunidades para fomentar negócios par as empresas portuguesas”, acrescenta. Mas lembra “este é um processo novo e muito longo no qual ainda falta saber quais serão as linhas de negociação”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bernardo Trindade lidera estrutura de missão para captar investimento pós-Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião