IRS pode baixar em 2018, diz secretário de Estado do Orçamento

  • ECO
  • 1 Abril 2017

O secretário de Estado do Orçamento, João Leão, confirmou em entrevista ao Expresso que pode haver uma redução global do esforço dos contribuintes portugueses no próximo ano.

Os portugueses poderão sentir um alívio na fatura a pagar de IRS no próximo ano. Quem o diz é João Leão, secretário de Estado do Orçamento, que em entrevista ao Expresso (acesso pago), confirmou a possibilidade de ocorrer uma redução global do esforço dos contribuintes nacionais, em 2018.

“É possível que, ao nível do IRS, haja uma redução para 2018”, disse João Leão. Esta confirmação surge escassos dias depois de o próprio ministro das Finanças, Mário Centeno, ter admitido que os contribuintes mais necessitados poderão beneficiar de uma redução no IRS do próximo ano. Mário Centeno, em entrevista ao Público e à Rádio Renascença, admitiu esta semana que a medida está a ser estudada pelo seu ministério e que poderá ser apresentada neste mês de abril, no âmbito da atualização do Programa de Estabilidade que o Executivo terá de apresentar no final de abril na Assembleia da República e junto das instituições europeias.

A revisão dos escalões de IRS foi um dos temas abordados na entrevista concedida ao Expresso na edição deste fim de semana. João Leão assumiu que este tema tem sido discutido entre a maioria parlamentar e o Governo, realçando contudo que a margem orçamental “é limitada”. “É importante garantir que quem mais precisa e tem mais necessidade possa ser beneficiado“.

De recordar que, em 2013, o então ministro das Finanças, Vítor Gaspar, alterou os escalões do IRS – Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares — eliminando três escalões, passando assim de oito para cinco.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IRS pode baixar em 2018, diz secretário de Estado do Orçamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião