China vai construir nova cidade do tamanho de Lisboa

  • Marta Santos Silva
  • 4 Abril 2017

A longo prazo, as autoridades chinesas esperam que a nova cidade chegue a ter dois mil quilómetros quadrados, sendo uma "estratégia crucial para este milénio".

As autoridades chinesas anunciaram a sua intenção de construir uma nova cidade, perto de Pequim, com uma dimensão que a curto prazo se espera ser a do concelho de Lisboa, com planos para expandir até aos dois mil quilómetros quadrados a longo prazo. A Nova Área de Xiongan, anunciada num comunicado por dois corpos políticos chineses, já está a ser invadida por compradores que querem aproveitar a valorização imobiliária drástica que é esperada numa zona até hoje pouco importante à escala nacional.

O Conselho de Estado e o Comité Central do Partido Comunista Chinês, os dois principais órgãos políticos da China, anunciaram num comunicado conjunto divulgado pelo jornal em língua inglesa China Daily que esta zona económica especial é “uma escolha histórica e estratégica” para “o milénio que se avizinha”.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, os investidores já invadiram a região para aproveitar a valorização imobiliária, e os preços das propriedades duplicaram em poucas horas após o anúncio — a Bloomberg acrescenta mesmo que os pretendentes a compradores criaram enormes engarrafamentos nas estradas para chegar ao território que se vai tornar na nova zona. No final do dia de segunda-feira, o Governo emitiu uma proibição nas vendas de propriedade na zona para procurar parar a especulação súbita.

A agência noticiosa Xinhua escreve que a criação da Nova Área de Xiongan, a cerca de 100 quilómetros a sul de Pequim, poderia ajudar a reduzir a pressão sobre a capital, que já sofre de problemas relacionados com o congestionamento automóvel, uma grande especulação imobiliária e poluição. A agência estatal acrescentou ainda que, “mais do que uma mera réplica do sucesso passado da China [a Nova Área de Xiongan], contará a história do futuro de uma nova cidade”.

O presidente chinês Xi Jinping afirmou que a área deverá dar prioridade à proteção do meio ambiente, assim como ao bem-estar dos cidadãos, tornando-se uma “área de demonstração para a inovação e o desenvolvimento”, lê-se no China Daily.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China vai construir nova cidade do tamanho de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião