Farfetch: da compra à sua porta em 90 minutos

Certos artigos de luxo da Gucci vão poder ser encomendados no site e aplicações da Farfetch e entregues em 90 minutos. Conheça também a nova loja do futuro da empresa de José Neves.

Os clientes da loja online Farfetch vão poder encomendar artigos da Gucci e tê-los na mão em… 90 minutos. A startup londrina, liderada pelo português José Neves, anunciou uma parceria com a marca de luxo para permitir entregas rápidas nas cidades de Londres, Madrid, Paris e Milão, mas também em Nova Iorque, Dubai, Los Angeles, Miami, São Paulo e Tóquio, avança a agência Bloomberg.

Esta nova opção funcionará para encomendas de certos artigos da Gucci através do website e aplicações móveis da Farfetch. A novidade surge no mesmo dia em que a empresa, avaliada em mais de mil milhões de dólares, apresenta um novo conceito de loja física, a que chamou de “A Loja do Futuro”The Store of the Future, no original em inglês. Será um novo tipo de estabelecimento equipado com dispositivos que recolhem informações sobre os gostos e preferências dos clientes, tal como acontece com as pesquisas na internet.

José Neves, natural do Porto, falou do conceito numa entrevista exclusiva à Business of Fashion, onde garantiu que “as lojas físicas vão sobreviver”, mas “não vão ser lojas físicas como as que existem hoje em dia”. “Em primeiro lugar, o digital está a influenciar completamente o comportamento do consumidor e a criação de desejo; em segundo lugar, o online está a crescer muito mais rápido do que o offline; mas, em terceiro, o offline continua — e continuará a ser — onde vão ter lugar a maioria das transações”, sumarizou.

"Os retalhistas precisam de uma forma de recolher informação sobre os clientes enquanto estão nas lojas, da mesma forma que o fazem nas pesquisas online.”

José Neves

em comunicado, citado pela Bloomberg

Fundada em 2008, a Farfetch tem vindo a posicionar-se cada vez mais como uma empresa tecnológica. Isso explica os novos dispositivos que inclui no modelo de loja física que apresentou esta quarta-feira numa conferência na capital do Reino Unido. Entre eles, a possibilidade de os clientes terem um perfil e fazerem login na loja física, bem como um cabide que regista quais os artigos de vestuário que despertou mais atenção dos consumidores.

A loja do futuro vai, assim, ao encontro da nova ideologia da Farfetch, que tenciona ser mais do que apenas uma plataforma online de compras. E, ao que tudo indica, vai poder entrar numa destas lojas ainda este ano. A empresa prevê aplicá-lo, até ao final do ano, em dois espaços: um em Londres e outro em Nova Iorque.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Farfetch: da compra à sua porta em 90 minutos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião