Seguros da dívida do Novo Banco disparam com oferta de troca

Depois dos juros das obrigações terem acelerado com receios de perdas para os investidores no âmbito da troca exigida para a venda ao Lone Star, agora são os seguros da dívida a dispararem.

O Novo Banco vai ser vendido ao Lone Star. A operação foi anunciada, mas para ser concluída é preciso, primeiro, que haja uma poupança de 500 milhões de euros com a dívida do banco. Essa poupança deverá ser obtida com uma troca de dívida voluntária, mas que pode levar os investidores a perderem dinheiro. O reflexo disso é a subida dos juros da dívida da instituição, mas também dos credit default swaps (CDS), os seguros dessa dívida.

O custo de segurar dívida sénior do Novo Banco durante cinco anos regista um agravamento de 23%, de acordo com dados da CMA, citados pela Bloomberg. Ao nível a que os CDS estão a ser transacionados no mercado, a probabilidade implícita de incumprimento na dívida do banco liderado por António Ramalho é de 42%.

Esta elevada probabilidade de incumprimento traduz os receios dos investidores em torno da proposta de troca de dívida sénior do banco, fator essencial para que o negócio de venda da instituição ao fundo norte-americano seja efetivada. Esses receios levaram recentemente os títulos de dívida do Novo Banco a afundarem, com a taxa das obrigações a passar dos 17%.

“Um evento de crédito [incumprimento] é um tema que novamente em cima da mesa”, diz Jochen Felsenheimer, diretor da XAIA Investment, à Bloomberg. Este já foi um tema quando em 2015 o Banco de Portugal determinou a passagem de dívida sénior do Novo Banco para o banco mau, o BES, ditando perdas avultadas aos investidores. À data, não foi determinado evento de crédito pela ISDA, pelo que os CDS não puderam ser ativados.

“Mais uma vez, estamos a ter a mesma discussão sobre se os CDS podem realmente proteger os investidores contra perdas ou se há sempre uma forma de dar a volta”, refere Felsenheimer. Esta proposta de troca é voluntária. Esse fator pode evitar que os CDS sejam acionados, mesmo que tal como as agência de rating têm alertado, haja perdas para os investidores em dívida de maior qualidade.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguros da dívida do Novo Banco disparam com oferta de troca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião