Seguros da dívida do Novo Banco disparam com oferta de troca

Depois dos juros das obrigações terem acelerado com receios de perdas para os investidores no âmbito da troca exigida para a venda ao Lone Star, agora são os seguros da dívida a dispararem.

O Novo Banco vai ser vendido ao Lone Star. A operação foi anunciada, mas para ser concluída é preciso, primeiro, que haja uma poupança de 500 milhões de euros com a dívida do banco. Essa poupança deverá ser obtida com uma troca de dívida voluntária, mas que pode levar os investidores a perderem dinheiro. O reflexo disso é a subida dos juros da dívida da instituição, mas também dos credit default swaps (CDS), os seguros dessa dívida.

O custo de segurar dívida sénior do Novo Banco durante cinco anos regista um agravamento de 23%, de acordo com dados da CMA, citados pela Bloomberg. Ao nível a que os CDS estão a ser transacionados no mercado, a probabilidade implícita de incumprimento na dívida do banco liderado por António Ramalho é de 42%.

Esta elevada probabilidade de incumprimento traduz os receios dos investidores em torno da proposta de troca de dívida sénior do banco, fator essencial para que o negócio de venda da instituição ao fundo norte-americano seja efetivada. Esses receios levaram recentemente os títulos de dívida do Novo Banco a afundarem, com a taxa das obrigações a passar dos 17%.

“Um evento de crédito [incumprimento] é um tema que novamente em cima da mesa”, diz Jochen Felsenheimer, diretor da XAIA Investment, à Bloomberg. Este já foi um tema quando em 2015 o Banco de Portugal determinou a passagem de dívida sénior do Novo Banco para o banco mau, o BES, ditando perdas avultadas aos investidores. À data, não foi determinado evento de crédito pela ISDA, pelo que os CDS não puderam ser ativados.

“Mais uma vez, estamos a ter a mesma discussão sobre se os CDS podem realmente proteger os investidores contra perdas ou se há sempre uma forma de dar a volta”, refere Felsenheimer. Esta proposta de troca é voluntária. Esse fator pode evitar que os CDS sejam acionados, mesmo que tal como as agência de rating têm alertado, haja perdas para os investidores em dívida de maior qualidade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguros da dívida do Novo Banco disparam com oferta de troca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião