OMC: Países deveriam harmonizar as regras do comércio eletrónico

A regulamentação internacional das regras do comércio eletrónico não vão travar a atividade das empresas do setor, garante Roberto Azevêdo. O líder da OMC defende a harmonização.

Os países deveriam harmonizar as regras do comércio eletrónico. O aviso foi feito esta terça-feira pelo diretor geral da Organização Mundial do Comércio (OMC) que, no entanto, frisa que as empresas de comércio eletrónico não devem recear as novas regulamentações internacionais, porque estas não as vão impedir de levar a cabo os seus negócios.

Mesa redonda sobre o comércio electrónico, em GenebraOMC

Roberto Azevêdo, numa conferência das Nações Unidas em Genebra, defendeu uma maior harmonização das regras mundiais de forma a promover as melhores práticas. O diretor geral da OMC lembrou ainda que a regulamentação é capacitação, mas para isso é necessária maior harmonização e partilha de boas práticas. Mas para isso é necessário que “todos estejam de acordo” com essas mudanças, acrescenta.

“A harmonização das regras tornará as coisas mais simples e fáceis para as pequenas empresas”, sublinhou o responsável que esteve recentemente de passagem por Lisboa para participar na última reunião do Conselho de Estado dedicada ao comércio internacional.

O brasileiro, que viu renovado o seu mandato à frente da OMC em fevereiro, chamou ainda a atenção para os elevados custos de não colaborar nesta fase.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OMC: Países deveriam harmonizar as regras do comércio eletrónico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião