Fernando Ulrich “ultrapassa o discurso politicamente correto”, diz Faria de Oliveira

  • Rita Atalaia
  • 26 Abril 2017

No último dia de Ulrich na presidência executiva do BPI, o presidente da Associação Portuguesa de Bancos caracteriza o gestor como alguém que "nunca se coíbe de dizer o que pensa".

Faria de Oliveira não poupa nos elogios a Fernando Ulrich. No último dia do gestor na liderança executiva do BPI, que vai agora ser ocupada por Pablo Forero, o presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB) afirma que o presidente do banco português ultrapassou o “discurso politicamente correto”, mantendo-se fiel às suas convicções. Uma posição que, segundo Faria de Oliveira, permitiu um “desempenho bastante positivo” do BPI, mesmo durante o período da crise financeira e soberana.

“Aliando a sua muito forte personalidade e fidelidade às suas convicções com a sua competência e defesa intransigente dos interesses do BPI, nunca se coíbe de dizer o que pensa, ultrapassando o discurso politicamente correto, denunciando e esclarecendo.” É assim que o presidente da APB caracteriza Fernando Ulrich, em declarações ao ECO. Desde “se os sem-abrigo aguentam, porque é que nós não aguentamos?”, até “o dia em que batermos na parede não está muito longe”, muitas foram as frases polémicas ditas por Fernando Ulrich desde que está à frente do BPI.

Aliando a sua muito forte personalidade e fidelidade às suas convicções com a sua competência e defesa intransigente dos interesses do BPI, nunca se coíbe de dizer o que pensa, ultrapassando o discurso politicamente correto, denunciando e esclarecendo.

Fernando Faria de Oliveira

Presidente da Associação Portuguesa de Bancos

Hoje, depois de cerca de 13 anos, o gestor passa a liderança do BPI a Pablo Forero, diretor-geral do CaixaBank. Forero está no banco catalão desde 2009 e este é o cargo mais alto que irá assumir numa instituição bancária. Licenciado em Economia e especializado em macroeconomia pela Universidade Autónoma de Madrid, Forero acumula cargos de liderança desde a década de 80.

Fernando Ulrich soube conduzir e manter a estabilidade, solidez e eficiência da instituição num mandato passado, grosso modo, em ambiente de crise financeira e, mais tarde, de crise soberana. Foram anos que trouxeram uma mudança drástica de paradigma para o setor bancário e de quadro regulatório e de supervisão, obrigando a um forte ajustamento dos modelos de negócio dos bancos“, realça. E é por isso que o “BPI teve, sob a sua liderança, um desempenho bastante positivo“, defende o presidente da APB.

E no futuro? Faria de Oliveira está confiante de que Ulrich continuará a desempenhar um papel importante no setor bancário e “em concreto, no BPI, instituição que sempre quis forte, moderna e de confiança”. Sobre os planos que o novo presidente-executivo tem para o BPI, pouco se sabe. Na conferência de imprensa onde foram apresentados os resultados da Oferta Pública de Aquisição lançada pelo CaixaBank sobre o banco português, Forero falou pouco e disse apenas querer manter o foco comercial do BPI.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fernando Ulrich “ultrapassa o discurso politicamente correto”, diz Faria de Oliveira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião