Portugal quer uma Europa com “políticas públicas que estimulem o crescimento”

  • Lusa
  • 5 Maio 2017

O chefe da diplomacia portuguesa reuniu-se, esta manhã, com o homólogo francês, Jean-Marc Ayrault, no ministério francês dos Negócios Estrangeiros, num encontro em que o ponto principal foi o futuro.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse esta sexta-feira à Lusa, em Paris, que a Europa deve “ter políticas públicas que estimulem o crescimento” para responder à “inquietação” que “se exprime em reações de natureza mais nacionalista”.

“A Europa tem de tomar decisões e essas decisões têm de ir no sentido de responder aos anseios e às expectativas dos cidadãos, havendo uma só maneira de lhes responder que é ter políticas públicas que estimulem o crescimento: o crescimento da economia, o crescimento do emprego e a segurança dos direitos sociais das pessoas“, afirmou Augusto Santos Silva à Lusa no final do encontro.

O ministro insistiu que “essa é, aliás, a melhor maneira de responder pela positiva a muita da inquietação e muito do protesto que hoje se exprime em reações de natureza mais nacionalista”. Augusto Santos Silva precisou que, “no que diz respeito à integração europeia, Portugal e a França têm posições muito próximas” e que devem ser tomadas “decisões sobre o futuro da integração europeia” após o “ciclo eleitoral” das presidenciais e legislativas francesas e das legislativas na Alemanha.

“Finalmente, quer o ministro Ayrault quer eu próprio insistimos muito na necessidade de a Europa assumir um papel liderante na agenda internacional porque há questões como a agenda do Clima e os objetivos do desenvolvimento sustentável que hoje dependem muito, na cena internacional, da liderança da Europa”, concluiu.

Esta tarde, Augusto Santos Silva vai deslocar-se ao Liceu Montaigne, em Paris, para se encontrar com alunos da secção internacional portuguesa e celebrar o Dia da Língua Portuguesa e das Culturas na CPLP. Esta quinta-feira, na sede da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Augusto Santos Silva visitou a exposição “Portugal e a UNESCO – Conhecer, salvaguardar e partilhar”, uma mostra organizada no âmbito da candidatura de Portugal ao Conselho Executivo da UNESCO (2017-2021) cuja eleição é em novembro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal quer uma Europa com “políticas públicas que estimulem o crescimento”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião