Marcelo recebeu presidentes da CGD por causa de Almeida

  • Lusa
  • 9 Maio 2017

O Presidente da República recebeu Rui Vilar e Paulo Macedo por causa do encerramento do balcão de Almeida.

O Presidente da República recebeu hoje os presidentes executivo e do conselho de administração da CGD numa reunião em que foi discutido o encerramento do balcão de Almeida e a solução encontrada para responder aos apelos da população.

A informação foi avançada pela presidência, numa nota em que dá conta de que Marcelo Rebelo de Sousa recebeu os presidentes do Conselho de Administração e da Comissão Executiva da Caixa Geral de Depósitos (CGD), Rui Vilar e Paulo Macedo, respetivamente, para um encontro em que “lhe deram conhecimento do acordo ajustado, no passado mês de abril, entre aquela instituição e o Presidente da Câmara Municipal de Almeida”.

O Presidente da República diz que “tomou conhecimento destas informações” e acrescentou que a 16 de maio será a vez de receber o presidente da Câmara Municipal de Almeida, António Baptista Ribeiro.

Na sequência da polémica do fecho da agência do banco público na sede do concelho de Almeida, o que motivou manifestações da população e dos autarcas locais, a CGD disponibilizou-se para instalar uma área automática na sede da Câmara de Almeida, com o apoio temporário de trabalhadores do banco.

Segundo a informação divulgada no início deste mês pela Lusa, o administrador executivo da CGD, José João Guilherme, enviou uma carta ao presidente da Câmara de Almeida a dar conta de que a CGD tem o “maior interesse em manter os serviços bancários na localidade de Almeida”.

O banco público manifestou nessa carta a disponibilidade de avançar com a instalação de uma área automática na sede da Câmara Municipal (uma caixa multibanco da CGD, que permite a utilização de cadernetas), ou noutro local a acordar com as partes, tal como já tinha proposto ao presidente do município em 18 de abril, e ainda a possibilidade de trabalhadores do banco prestarem apoio à população “em determinados dias e horário previamente estabelecido”.

O administrador da CGD salientou que foi acordado com o autarca de Almeida a “deslocação diária, por um período transitório (entre três a seis meses), de colaboradores da Caixa, com o objetivo de esclarecer dúvidas, apoiar os clientes na utilização do parque de máquinas, apoiar os clientes na adesão a produtos de movimentação e de contacto com o banco, nomeadamente cartões de débito e ‘homebanking’ (‘Caixadirecta’)”.

Ainda na carta, o administrador da CGD admitiu a manutenção temporária “da área automática da Agência de Almeida” (nas atuais instalações da CGD) e acrescentou que a solução do ‘Banco Móvel’ (uma carrinha) está “em desenvolvimento”.

Depois de ter sido conhecida a carta, no mesmo dia, o vice-presidente da Câmara de Almeida disse à Lusa que a autarquia está disponível para dialogar com a administração da CGD, mas desde que “na sede do concelho de Almeida fiquem todos os serviços da CGD, incluindo os serviços de tesouraria”.

O fecho da agência de Almeida faz parte do plano da CGD para encerrar 61 agências por todo o país e consta da reestruturação do banco público acordada com a Comissão Europeia, na sequência da recapitalização de cerca de 5.000 milhões de euros.

Com o fecho do balcão de Almeida, já efetuado, os habitantes têm de se deslocar a Vilar Formoso, que dista cerca de 15 quilómetros da sede de concelho, o que tem motivado protestos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo recebeu presidentes da CGD por causa de Almeida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião