Nunca os portugueses investiram tão pouco em depósitos

As novas aplicações em depósitos ascenderam a 17,5 mil milhões de euros no primeiro trimestre deste ano. É o valor mais baixo do histórico de Banco de Portugal que remonta ao início de 2003.

Os depósitos estão a perder cada vez mais brilho entre as opções de investimento dos portugueses. Dados do Banco de Portugal, indicam que nos primeiros três meses do ano as novas aplicações em depósitos a prazo dos particulares recuaram para um mínimo histórico. A fraca atratividade da remuneração oferecida por estes produtos, a par da forte concorrência dos produtos do Estado que oferecem remunerações bastante superiores, justificam essa descida.

Segundo o Banco de Portugal, no primeiro trimestre deste ano, os particulares aplicaram um total de pouco mais de 17,5 mil milhões de euros, em novos depósitos a prazo. Este montante representa uma diminuição de 10,2% face ao total de que tinha sido aplicado no mesmo período do ano passado: 19,5 mil milhões de euros. É também o valor mais baixo em termos homólogos do histórico do Banco de Portugal que remonta ao início do ano 2003.

Evolução homóloga dos depósitos

Fonte: Banco de Portugal

A diminuição das novas aplicações registada entre janeiro e março deste ano, fez encolher o saldo dos depósitos a prazo para o patamar mais baixo desde julho de 2011, período crítico da crise financeira em Portugal. No final de março deste ano, os portugueses tinham um total de quase 94 mil milhões de euros em depósitos a prazo.

"A redução dos depósitos reflete a preferência das famílias por aplicações alternativas para a poupança, nomeadamente, instrumentos de dívida pública.”

banco de Portugal

Segundo explica o próprio banco central, a quebra das quantias depositadas nos bancos surge da forte concorrência dos produtos de poupança disponibilizados pelo Estado. “A redução dos depósitos reflete a preferência das famílias por aplicações alternativas para a poupança, nomeadamente, instrumentos de dívida pública”, diz o Banco de Portugal.

Tudo isto acontece num contexto em que a remuneração oferecida pelos bancos nos depósitos é cada vez mais baixa, encontrando-se atualmente no patamar mais baixo do histórico disponibilizado pela entidade liderada por Carlos Costa. Em março, a taxa de juro oferecida pela banca nacional nas novas aplicações a prazo situou-se, em média, nos 0,31%. Trata-se da remuneração mais baixa de sempre, tendo em conta o histórico que remonta ao início do ano 2000. A baixa remuneração oferecida deve-se ao nível historicamente baixo da taxa de juro de referência da Zona Euro, que pressiona os indexantes, e do desinteresse dos próprios bancos em captar recursos. A sua prioridade agora é em conceder crédito.

Ora quando olhamos para a oferta dos produtos de poupança do estado, as propostas da banca são claramente pouco atrativas. No caso dos Certificados do tesouro Poupança Mais (CTPM) disponibilizados pelo Estado, é oferecida uma taxa de juro bruta de 1,25% no primeiro ano. Nos quatro anos seguintes a remuneração sobe gradualmente para atingir um valor médio de 2,25%, ao fim dos cinco anos de aplicação. Este valor ainda pode ser superior, já que os CTPM foram desenhados de forma a permitirem um prémio adicional associado à evolução do PIB português.

Até os próprios certificados de aforro, que também têm perdido aplicações para os CTPM, oferecem taxas de juro mais atrativas. Quem subscreveu certificados de aforro em março, teve direito a uma remuneração bruta de 0,669%. Ou seja, também superior aos depósitos a prazo.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Nunca os portugueses investiram tão pouco em depósitos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião