“Demasiado cedo para declarar sucesso” da política monetária

  • Rita Atalaia
  • 10 Maio 2017

O crescimento está a acelerar, mas os preços ainda não dão sinais de recuperação. Este cenário mantém Draghi cauteloso. O presidente do BCE defende que ainda é cedo para falar de redução de estímulos.

Mario Draghi reconhece que o crescimento da zona euro está mais forte. Mas o presidente do Banco Central Europeu (BCE) também defende que é demasiado cedo para se afirmar que a política monetária foi “bem-sucedida”. O responsável europeu continua cauteloso, numa altura em que o crescimento dá sinais de recuperação, mas os preços ainda não estão a acelerar.

“A recuperação económica passou de estar frágil e desigual para uma recuperação firme e generalizada“, afirma Mario Draghi numa audição no Parlamento holandês, citado pela Bloomberg. No entanto, o presidente do BCE acrescenta que “ainda é demasiado cedo para declarar o sucesso” da política monetária. Ainda há trabalho a fazer, refere o responsável europeu.

Os responsáveis do BCE estão a ponderar se e como vão comunicar uma saída gradual dos estímulos. Apesar de a economia estar a crescer de forma estável, ainda não há sinais de aceleração dos preços. A inflação é principal indicador para onde o banco central olha quando tem de tomar decisões de política monetária.

Na segunda-feira, Yves Mersch, um dos responsáveis do BCE, disse que o banco central está prestes a descrever os riscos para a recuperação como “equilibrados de forma generalizada” — palavras que podem ser interpretadas como um sinal de redução dos estímulos. Mas Draghi mantém-se mais cauteloso. “Os dados confirmam que a recuperação cíclica da economia da Zona Euro está cada vez mais forte e que os riscos diminuíram”, afirma. No entanto, acrescenta, a inflação continua contida.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Demasiado cedo para declarar sucesso” da política monetária

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião