Porsche 911 um milhão saiu da fábrica. Quer? Não está à venda

Desde 1963, altura em que foi produzido o primeiro, já foram colocados na estrada um milhão de 911. O Porsche 1.000.000 vê agora a luz do dia, mas não terá comprador. Fica "em casa".

Mais de cinco décadas depois, a Porsche chegou ao número redondo de um milhão de 911. O número 1.000.000 do famoso desportivo de luxo é um Carrera S com uma cor especial, mas também com vários elementos do original lançado em 1963. É um automóvel especial a que nenhum aficionado vai poder deitar a mão, mas vão poder vê-lo em tournée.

O milionésimo exemplar trata-se de um Carrera S com a cor Irish Green “e com inúmeros detalhes exclusivos que seguem a imagem do original 911 de 1963“, revela a fabricante do desportivo de duas portas que apesar das inúmeras atualizações que sofreu ao longo das mais de cinco décadas de vida segue o conceito do original.

“Continuamos a aprimorar a tecnologia do 911, afinando e aperfeiçoando o veículo desportivo”, diz Oliver Blume, presidente do conselho executivo da Porsche AG. “É por isso que continua a ser um veículo de última geração e tecnicamente inovador. Também fomos capazes de expandir a linha de modelos com muito sucesso através de derivações”, refere.

O 911 continua, apesar do crescente leque de oferta da Porsche, a ser o modelo mais importante na estratégia da gama de produtos da fabricante de Estugarda. “Só em 2016, foram entregues 32.365 veículos em todo o mundo”, salienta a marca que agora chegou ao número um milhão de 911. E desse milhão de unidades mais de 70% de todos os 911 ainda estão aptos a serem conduzidos nos dias de hoje.

Este milionésimo 911 não poderá ser comprado. Será propriedade da Porsche AG. “Antes de ir enriquecer a coleção do Museu da Porsche, vai embarcar numa tournée mundial e irá percorrer algumas estradas nas Terras Altas da Escócia, em Nürburgring, nos Estados Unidos, na China e noutros locais a divulgar”, refere a Porsche.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Porsche 911 um milhão saiu da fábrica. Quer? Não está à venda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião