Marcelo digitalizado em 3D

Marcelo Rebelo de Sousa aceitou ser digitalizado pela CODI, uma empresa de Leiria que presta serviços de impressão. Empresa vai fazer uma estatueta do Presidente da República.

O serviço chama-se Mini Me e mais não é do que a digitalização de uma pessoa para posterior impressão a três dimensões. É fornecido pela CODI, uma empresa de Leiria que esteve no encontro da COTEC desta terça-feira e convenceu Marcelo Rebelo de Sousa a deixar-se digitalizar. A ideia é imprimir uma estatueta com a imagem do Presidente e enviar o objeto para Belém. Veja o vídeo:

Durante a digitalização, o Presidente teve de permanecer imóvel enquanto uma plataforma ia girando e o scanner ia gerando o modelo tridimensional no computador. Agora, como explicou ao ECO Francisco Aguiar, responsável de marketing da empresa, é possível “a partir deste momento” fazer “a impressão de um objeto, neste caso, do Presidente”.

Com o modelo tridimensional, a CODI é capaz de fazer “um busto, ou fazer mesmo a figura completa como a estatueta”. “Vamos fazer uma estatueta à escala, não iremos fazer na escala real. Iremos fazer um boneco de 20, 25 centímetros, para que se possa depois perceber o processo. Vamos depois contactar a Presidência para fazer a entrega do objeto”, explicou.

Neste momento, a empresa encontra-se a “dar alguns retoques” ao modelo tridimensional de Marcelo Rebelo de Sousa. “Temos de perceber, em termos de captação de imagens, se está tudo OK ou se é preciso algum tipo de melhoria e de correção”, acrescentou Francisco Aguiar.

A CODI é uma empresa do grupo inCentea, com experiência na área da prestação de serviços ligados à modelagem e impressão 3D. “A CODI tem 22 anos. É de 1995 a data de fundação. Comprámos a primeira impressora 3D em 1997. Depois entrámos no grupo em 2010″, explicou o responsável pela comunicação desta empresa. E desde o primeiro instante que operou nas áreas “da impressão 3D, do fabrico aditivo, dos CADs e do software de modulação”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo digitalizado em 3D

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião