Juros do crédito da casa nunca estiveram tão baixos

A taxa de juro implícita no crédito à habitação está a cair desde agosto de 2014, seguindo o rumo descendente dos indexantes.

Os juros implícitos no crédito para a compra de casa continuam a cair, e já somam 32 meses consecutivos de alívio. Em abril, a taxa de juro implícita no conjunto dos créditos à habitação concedidos desceu 0,004%, para se fixar num novo mínimo histórico de 1,012%. Já a prestação média vencida manteve-se inalterada pelo oitavo mês consecutivo, nos 237 euros.

Já nos contratos celebrados nos últimos três meses foi notório um ligeiro agravamento na taxa de juro, com esta a passar dos 1,665%, para 1,675%. Trata-se da primeira vez desde agosto do ano passado que esta taxa regista um agravamento. Já no valor médio da prestação nos empréstimos para a compra de casa celebrados nos últimos três meses foi observada uma descida, com esta a passar de 297 euros, em março, para 290 euros, em abril.

No que diz respeito ao financiamento para a aquisição de casa, a taxa de juro implícita também recuou em 0,3 pontos base para 1,028%. Neste segmento, os juros dos contratos celebrados nos últimos três meses subiram para 1,646% em abril, ficando 0,018 acima do valor registado em março.

A taxa de juro implícita do crédito à habitação tem acompanhado a evolução da Euribor, que está a negociar em terreno negativo a três, seis e 12 meses.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Juros do crédito da casa nunca estiveram tão baixos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião