Subsídio de desemprego: travão no corte de 10% abrange prestações em curso

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 24 Maio 2017

Norma que elimina corte de 10% nos subsídios de valor mais baixo entra em vigor a meio da próxima semana. Prestações em curso são beneficiadas.

A norma travão que protege os subsídios de valor mínimo chega ao terreno a meio da próxima semana, afirmou já o primeiro-ministro. E abrangerá as prestações em curso, confirmou o ECO junto do Ministério do Trabalho e Segurança Social.

“Esta alteração vai abranger as prestações em curso. Às prestações que já tenham o corte de 10%, será aplicado o travão do valor do IAS, pelo que, ou deixarão de ter o corte ou este será reduzido”, afirmou fonte oficial do Ministério de Vieira da Silva.

A medida poderá abranger “cerca de 58% dos beneficiários de subsídio de desemprego que teriam um corte de 10% nas suas prestações”, adianta a mesma fonte. O Público e o Jornal de Negócios já tinham adiantado que podem estar em causa cerca de 136 mil pessoas, a avaliar pelo número de desempregados que viram o subsídio cair para valores abaixo do mínimo no ano passado.

Em regra, o subsídio mínimo corresponde ao Indexante dos Apoios Sociais, que este ano ascende a 421,32 euros. Porém, uma norma criada pelo Executivo de Passos Coelho em abril de 2012 veio introduzir um corte de 10% nos subsídios atribuídos há mais de seis meses, incluindo os de valor mínimo, questão que já levantou objeções ao Provedor de Justiça.

PS e Bloco de Esquerda querem eliminar este corte de forma definitiva em 2018. Para já, é apenas certa a eliminação parcial do corte, garantindo que a redução de 10% não atira o valor do subsídio para um montante abaixo do IAS.

“Vamos já a partir do próximo dia 1 de junho reverter parcialmente esse corte do subsídio de desemprego, com a introdução de uma norma travão para que esse corte nunca coloque ninguém abaixo do limiar do indicador de apoio social”, afirmou António Costa esta terça-feira, no debate quinzenal. Porém, o ECO sabe que o diploma ainda aguarda promulgação por parte do Presidente da República.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Subsídio de desemprego: travão no corte de 10% abrange prestações em curso

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião