Interesse público dos tanques vai baixar preços do gás de botija

  • ECO
  • 29 Maio 2017

O objetivo é baixar os preços. O governo vai abrir o acesso aos tanques de armazenamento que para já são maioritariamente explorados pela Galp, Repsol e Rubis.

Novos operadores são bem-vindos ao mercado das garrafas de gás. A declaração de interesse público que vai permitir o acesso aos tanques por novas marcas já é uma realidade. Cepsa e Jumbo já demonstraram interesse em entrar, ficando apenas a faltar a decisão política. O objetivo é aumentar a concorrência de forma a baixar os preços para os consumidores.

A Autoridade da Concorrência fez o relatório que deu início ao processo. As margens de lucro “revelam algum exercício de poder de mercado” diz o relatório. Graças a esta decisão, novos operadores poderão utilizar os tanques da Pergás e Sigás (refinarias de Perafita e Sines, em Matosinhos) para armazenar e engarrafar gás por um determinado preço que terão que pagar aos donos, ainda por definir. Agora já só falta a decisão política de dar aval à entrada dos novos operadores, avança Jorge Seguro Sanches, o secretário de estado da energia, ao Diário de Notícias.

Deste modo, Jorge Seguro Sanches acredita que “o mercado funcione de forma mais correta”. Até agora, a entrada de operadores era desincentivada por preços e margens elevadas. A descida de preços não pode ser imposta, pois trata-se de um mercado livre, restando portanto a hipótese de abrir à concorrência. A Cepsa e o Jumbo já mostraram interesse na exploração.

Atualmente, a Galp é líder de mercado, com uma quota entre os 40% e os 50%. A Rubis e a Repsol estão entre os 20% e os 30% e a OZ menos de 10%. A Prio detém apenas 2%. A maioria das marcas argumentou que a medida põe em causa a propriedade privada e que pode penalizar as exportações. A Apetro, associação de petrolíferas, votou contra na audição prévia. Espera-se que as contestações avancem para os tribunais.

Cerca de 75% dos portugueses utiliza gás de botija. A abertura dos tanques, promovendo uma maior concorrência entre os operadores, deverá levar a uma descida dos preços que teria impacto numa margem significativa da população.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Interesse público dos tanques vai baixar preços do gás de botija

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião