Lisboa tem as casas mais caras. Mas é no Porto que os preços mais sobem

  • ECO
  • 29 Maio 2017

O valor das habitações já não estava tão caro desde julho de 2011. Veja aqui as diferenças dos preços do metro quadrado entre os diferentes pontos do país e como evoluíram desde o último máximo.

Em abril, Lisboa foi o líder destacado no valor das suas casas, mas onde os preços têm subido mais é na cidade do Porto. Santa Maria da Feira está do lado oposto, com as habitações mais baratas do país. Conheça todas as oscilações entre o pico de preços deste abril e os últimos valores que o superaram, que datam de julho de 2011: há quase seis anos.

Lisboa atingiu em abril os 2.095 euros por metro quadrado: um valor 38% acima do praticado pela segunda cidade da lista, o Porto, e 144% acima da média de Santa Maria da Feira, a mais barata. Mas a separar Lisboa e Porto, estão ainda Oeiras e Cascais, que conseguem ser atualmente mais caras que a invicta. Nestes limites de Lisboa, pagam-se 1.729 e 1.740 euros por metro quadrado, respetivamente.

Preços nas principais cidades, por metro quadrado

Apesar de ficar aquém nos preços, o Porto segue o mesmo caminho que Lisboa. Desde julho de 2011, as casas do Porto aumentaram o preço em 13%, quase o dobro do que se verificou em Lisboa, onde o crescimento se ficou pelos 8%. As habitações em Santa Maria da Feira estão até 2% mais baratas.

Ainda em relação ao crescimento no mesmo período, as cidades do norte e do sul caminham aos pares: Barcelos e Odivelas estão mais caros 6%, Matosinhos e Loures 5%, Maia e Oeiras 3%. O centro ajuda a moderar a média nacional com Leiria e Coimbra a descerem 7% para os 1.214 euros e 4% para os 900 euros por metro quadrado, respetivamente.

Variação do preço da avaliação imobiliária nos últimos seis anos

Evolução do valor da avaliação imobiliária de julho de 2011 para abril de 2017

Já o Funchal está no extremo oposto e baixa a generalidade dos preços em 13%, caindo de 1.534 euros por metro quadrado para os 1.334 euros. A cidade fica ainda assim acima da média nacional. Contudo, os apartamentos na Madeira são dos que mais cresceram em valor no mês abril comparativamente a março: 1,1%, logo a seguir aos 2,9% dos Açores.

Outra tendência que se pode observar no estudo do Instituto Nacional de Estatística divulgado esta segunda-feira é que as diferenças entre as cidades mais caras e mais baratas estão a acentuar-se. As cinco cidades mais caras (Lisboa, Cascais, Oeiras, Porto e Loures) aumentaram os preços relativamente a julho de 2011; já os preços das cinco cidades mais baratas (Santa Maria da Feira, Guimarães, Vila Nova de Famalicão, Leiria e Braga) desceram durante o mesmo período.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa tem as casas mais caras. Mas é no Porto que os preços mais sobem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião