Armatis contrata 400 pessoas para Guimarães

Multinacional francesa já iniciou o processo de recrutamento. Novo centro deverá estar em funcionamento no final de junho ou início de julho.

O grupo francês Armatis, que atua na áreas dos contact centers, expande-se em Portugal com a abertura de um novo centro em Guimarães criando 400 novos postos de trabalho. O novo centro deverá estar a funcionar em finais de junho, início de julho.

Em comunicado, a multinacional que já tem presença no Porto, em Lisboa e Caldas da Rainha justifica a escolha da cidade de Guimarães com a proximidade com o aeroporto Francisco Sá Carneiro e com a qualidade do emprego.

“A proximidade com a cidade do Porto, a presença dum aeroporto internacional perto, a qualidade da bacia de emprego, o apoio do BICMINHO, e o grande dinamismo das instituições locais, acabaram por convencer a multinacional francesa a instalar o seu novo centro no coração duma das cidades históricas mais importantes do nosso país” pode ler-se no documento.

Presente em Portugal desde 2012, o grupo francês detém neste momento duas empresas em território nacional e cinco centros de produção, repartidos por Lisboa, Caldas da Rainha e Porto (2).

"A decisão de desenvolver a nossa capacidade de produção em Portugal foi tomada naturalmente. Dispomos de
colaboradores qualificados, motivados e envolvidos com a empresa. Os nossos clientes apreciam a qualidade e o nível de serviço dos nossos centros portugueses”

Denis Akriche

Presidente e director-geral da Armatis-lc

Com a abertura a nova plataforma, com uma área de 2.700 metros quadrados, o grupo passa a empregar um total de 2.500 colaboradores em Portugal.

Os interessados em fazer parte da Armatis podem enviar as candidaturas para candidaturas@armatis-lc.com

“O Grupo tem feito sempre a escolha estratégica de desenvolver os seus centros, o que se tem sempre traduzido em apostas vencedoras” explica o Presidente e Diretor-Geral da armatis-lc, Denis Akriche.

“A decisão de desenvolver a nossa capacidade de produção em Portugal foi tomada naturalmente. Dispomos de colaboradores qualificados, motivados e envolvidos com a empresa. Os nossos clientes apreciam a qualidade e o nível de serviço dos nossos centros portugueses” conclui.

O grupo francês detém um total de 22 centros repartidos por França, Portugal, Tunísia e Polónia e emprega um total de 10 mil colaboradores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Armatis contrata 400 pessoas para Guimarães

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião