Quanto cobram os artistas portugueses por concerto?

Mariza, Anselmo Ralph e Tony Carreira são dos artistas mais bem pagos por concerto. Quim Barreiros é o mais requisitado pelas autarquias. Salvador Sobral foi dos que mais valorizou recentemente.

Da esquerda à direita: Gisela João, Luísa Sobral, Salvador Sobral e Ana Bacalhau.Raquel Sá Martins

Numa pesquisa pelos nomes dos principais artistas portugueses no Portal Base — onde estão os contratos públicos — concluiu-se que os preços divergem bastante. O caso de Salvador Sobral no passado sábado é sui generis: marcado antes da vitória da Eurovisão, o concerto estava pensado para ter um dimensão, mas passou a ser cinco vezes maior, multiplicando os custos mas também as receitas. As comparações são difíceis de fazer — um só artista pratica diferentes valores –, mas é possível traçar o cenário dos preços atualmente praticados na indústria musical de Portugal.

O ECO fez um levantamento dos valores contratados entre os artistas e as autarquias para a realização de concertos. Só foram considerados contratos que incidam sobre concertos realizados em 2017. Além disso, foram só considerados concertos unipessoais e não em conjunto com outros artistas, o que dificultaria comparações.

Luísa Sobral

A irmã de Salvador Sobral deu um concerto a 20 de maio, já depois da vitória na Eurovisão enquanto compositora e letrista de “Amar Pelos Dois”. O concerto aconteceu no Convento São Francisco, num auditório com 1125 lugares. Para esse evento, em que os bilhetes variavam entre os 10 e os 12,5 euros, a Câmara Municipal de Coimbra pagou sete mil euros pelo concerto de Luísa Sobral.

Os irmãos Luísa e Salvador Sobral, no momento da vitória de Portugal no festival da Eurovisão.Sergey Dolzhenko / EPA

No início deste ano, a 27 de janeiro, Sobral deu um concerto em Aveiro que custou 9.500 euros à autarquia local. O espetáculo ocorreu no Teatro Aveirense cuja sala principal tem capacidade para 659 pessoas. O preço por bilhete foi de 10 euros. Dias depois, a 11 de fevereiro, o Município de Alcobaça pagou 6.500 euros para um concerto da artista no Centro Cultural Gonçalves Sapinho, cujo auditório tem capacidade para 360 pessoas.

Anselmo Ralph

Um concerto com Anselmo Ralph é dos mais bem pagos em Portugal. Mesmo com a vitória na Eurovisão — um concurso internacional –, os preços dos irmãos Sobral nem se aproximam do cantor angolano. Um concerto com o artista custou 40 mil euros à Câmara Municipal de Vila Real, tal como indica um contrato publicado em maio. Em fevereiro, o Município de Pinhel (Guarda) pagou 36 mil euros. Uma análise a anos anteriores revela que o valor mais elevado foi pago pelo Município de Sertã num total de 48.500 euros.

Fadistas

Um concerto com Mariza, artista que já tem uma carreira internacional consolidada, é dos mais caros. Em abril deste ano, o Município de Vila Real pagou 40.000 euros. Em fevereiro, o Município de Castro Marim pagou 35.000 euros.

Já um concerto com a barcelense Gisela João custou 8.750 euros ao Município de Loulé, em maio, e 7.750 euros ao Município de Castro Verde, em abril. Duas apresentações em Lisboa custaram 13.200 euros à EGEAC. Um espetáculo com o fadista Camané varia entre os 9.000 euros e os 10.000 euros.

Em abril, o Município da Guarda pagou 17.500 euros por dois concertos de Ana Moura. Também em 2017, nos contratos disponíveis no Portal Base, um concerto com a fadista Carminho ficou por 10 mil euros em duas ocasiões e 12 mil euros noutras duas ocasiões. Já um concerto com a fadista Cuca Roseta custou 8.500 euros ao Município de Montemor-o-Novo.

Família Carreira

Os três membros do clã Carreira são dos artistas portugueses que mais cobram por concertos. Nos quatro contratos públicos publicados no Portal Base relacionados com Tony Carreira, o cantor cobra entre 30 mil euros e 39 mil euros. Contudo, em ocasiões de anos anteriores é possível ver valores mais elevados.

O filho mais velho, Mickael Carreira, ainda não tem nenhuma entrada relativa a 2017, mas no ano passado cobrou entre 15 mil euros e 18 mil euros. Já o irmão mais novo, David Carreira, tem quatro entradas este ano, mas com uma variação considerável em termos de valores. Um concerto na Mealhada vai custar 14 mil euros — um contrato de abril –, mas um contrato de maio, em Amarante, ascende quase aos 25 mil euros.

Eis outros exemplos:

  • Os GNR entram também no top dos que mais cobram por um concerto. O espetáculo que a banda vai dar em agosto na Freguesia de Corroios custou 13.370 euros. Já um concerto contratado pelo Município de Oliveira de Azeméis atingiu os 17.600 euros.
  • Quim Barreiros não é dos artistas que mais cobra por um concerto, mas é um dos mais requisitados. Só em 2017 já se contam 11 espetáculos requisitados por instituições públicas. Os preços variam entre os seis mil euros e os 10 mil euros.
  • Já um concerto com os Amor Electro variou entre os 8.500 euros pagos pelo Município de Oliveira de Azeméis em fevereiro e os 13.500 euros pela Câmara Municipal de Almada em abril.
  • Na passagem de ano, a Câmara do Porto pagou 21.250 euros por um concerto dos Azeitonas.
  • Um concerto de Dengaz e a Ahya Band custou 14.200 euros ao Município de Odemira em abril deste ano.
  • Já um concerto com a banda The Gift custou 17.500 euros ao Município de Alcobaça em março e 10 mil euros ao Município de Vila Nova de Famalicão em abril.
  • Um concerto com os Deolinda custou 16 mil euros ao Município de Silves em fevereiro.
  • Já um concerto com o ex-Da Weasel, agora Carlão, custou 12.500 euros ao Município de Ourém em abril.
  • Um espetáculo com o artista Miguel Araújo vai dos 7.750 euros em Olhão até aos 19.500 euros em Santiago do Cacém.
  • Um concerto com António Zambujo varia entre os 8.750 euros e os 12 mil euros.
  • Um espetáculo do artista David Fonseca varia entre os 5.800 euros em Sever do Vouga e os 16 mil euros em Penafiel.
  • Um concerto da banda HMB custou seis mil euros ao Município de Castro Verde.
  • Um espetáculo com Pedro Abrunhosa varia entre os 11.500 euros e os 26.500 euros.
  • Um concerto da artista Aurea varia entre os 7.500 euros e os 15.500 euros.
  • Um concerto de Rui Veloso vai custar 35.000 euros ao Município de Viana do Castelo.
  • Um espetáculo de Rita Guerra varia entre os 8.750 euros e os 10.500 euros.

De ressalvar que, através destes contratos, não é possível saber o enquadramento à volta do concerto, nomeadamente a logística ou o número real de bilhetes vendidos. Além disso, é preciso esclarecer que este também não é o valor dos cachets dos artistas, mas o montante global pago pelos serviços.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quanto cobram os artistas portugueses por concerto?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião