PS renegoceia dívida com a banca e consegue contas sem défice

  • ECO
  • 6 Junho 2017

Partido Socialista renegociou a dívida e equilibrou contas de 2016, acabando com um défice de quatro anos e reduzindo o passivo.

O Partido Socialista fechou as contas do ano passado com um saldo positivo, o que não acontecia desde 2012. Foram pouco mais de 250 mil euros, uma melhoria face ao saldo negativo de um milhão de euros registado em 2015. 2016 foi também um ano em que o PS reduziu quase um milhão de euros ao passivo, que está agora nos 20,7 milhões de euros. Segundo o Público desta terça-feira, estes dados constam do relatório de contas entregue na semana passada à Entidade das Contas e Financiamentos Políticos do Tribunal Constitucional.

Estamos a reduzir o défice, é o primeiro ano desde 2013 que temos resultado positivo”, afirmou o secretário nacional para a organização do PS, Luís Patrão, ao diário. Este resultado foi atingido com mais rendimentos da atividade corrente face aos gastos. Uma das principais fontes de receita foram as subvenções do Estado que chegaram quase aos cinco milhões de euros. Entre doações, heranças e legados, o PS arrecadou praticamente 400 mil euros.

Não estamos a fazer nova dívida.

Luís Patrão

Secretário nacional para a organização do PS

Segundo Luís Patrão, o Partido Socialista já pagou o empréstimo das legislativas de 2015 — 920 mil euros — e liquidou também um empréstimo para a campanha das regionais do ano passado nos Açores — 310 mil euros. A estratégia do partido tem sido pagar as pequenas dívidas e negociar com os grandes credores que, segundo Patrão, passam pelos CTT, PT, empresas que organizam congressos e a FIL. “Não estamos a fazer nova dívida”, garante o militante socialista.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

PS renegoceia dívida com a banca e consegue contas sem défice

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião