Importações aumentam, exportações estagnam. Défice comercial agrava-se 500 milhões

Em abril, as exportações ficaram praticamente iguais e as importações dispararam para o mercado externo à União Europeia. O défice comercial agravou-se 500 milhões de euros.

As importações cresceram a um nível mais acelerado do que as exportações em abril, contrariando a tendência que se tinha registado nos primeiros três meses do ano. “Em abril de 2017, as exportações e as importações de bens registaram variações homólogas nominais de, respetivamente, +0,4% e +10,8%”, adiantou o Instituto Nacional de Estatística (INE). O ritmo de aumento das importações — que se tem vindo a registar desde outubro do ano passado — verificou-se em parceiros comerciais como Espanha, China e Alemanha, principalmente nos combustíveis e lubrificantes. Os dados constam do destaque relativo ao comércio internacional de bens divulgado pelo INE esta sexta-feira.

Excluindo os combustíveis e lubrificantes, as exportações de bens diminuíram 2,3% e as importações de bens aumentaram 6,1%. “Tanto nas exportações como nas importações destacam-se claramente os aumentos registados nos Combustíveis e lubrificantes (correspondente a +55,1% e +63,7% respetivamente), decorrente em grande medida do impacto do aumento dos preços“, explica o INE.

Em sentido negativo, destacam-se as reduções nas exportações de bens de consumo (-9,6%) e material de transporte (-8,2%). Desde outubro do ano passado — mês em que se registou uma variação negativa — que as exportações de bens não tinham uma variação positiva tão curta. As exportações cresceram para o mercado exterior à UE, mas contraíram 3,9% no mercado interno da União Europeia, o qual representa uma maior quota das exportações de bens portuguesas – neste mês as exportações diminuíram para os quatro principais mercados (Espanha, França, Alemanha e Reino Unido).

Do lado das importações de bens, os maiores acréscimos registaram-se em Espanha (correspondente a +2,6%), Alemanha (+6,0%) e China (+25,6%). Acresce que houve um acentuado crescimento registado nas importações Extra-UE, que subiu 45,6% (+444 milhões de euros), o “que reflete em grande medida o impacto do aumento das importações de combustíveis e lubrificantes, em especial devido à evolução dos preços”, explica o INE.

Como resultado destas variações, o défice comercial de bens, em abril, atingiu os 1.239 milhões de euros, o que representa um aumento de 509 milhões de euros face ao mesmo mês de 2016.

Contudo, o INE olha com cautela para estes resultados, recordando os efeitos de calendário que já tinham afetado o mês de março. “A desaceleração das exportações e das importações estará em parte associada a efeitos de calendário mas em sentido contrário ao verificado em março de 2017”, escreve o Instituto, referindo que, em 2017, a Páscoa ocorreu em abril enquanto em 2016 foi em março.

Nos primeiros três meses, as exportações e as importações de bens aumentaram respetivamente 17,1% e 15,3% face ao período homólogo, indicou o Instituto Nacional de Estatística a 10 de maio, relativamente aos dados do comércio internacional de bens até março. As variações elevadas são, em parte, justificadas por efeitos de calendário.

Os principais responsáveis foram a indústria e os combustíveis. Apesar de demonstrar uma aceleração do comércio internacional de Portugal, os resultados do primeiro trimestre agravaram a balança comercial de bens em 154 milhões de euros face ao mesmo período do ano passado.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Importações aumentam, exportações estagnam. Défice comercial agrava-se 500 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião