Bicicleta faz 200 anos. Portugal é quem mais a exporta na União Europeia

Portugal não é o país que mais usa a bicicleta no seu quotidiano. Mas é o principal exportador europeu do velocípede de duas rodas. 1817 é dado como o ano da invenção da bicicleta.

Portugal é o maior exportador de bicicletas na União Europeia. As exportações portuguesas de bicicletas correspondem a 15% de todas as bicicletas exportadas no ano passado. Do lado oposto, o Reino Unido foi o maior importador de bicicletas. A informação foi divulgada esta segunda-feira pelo Eurostat para assinalar os 200 anos da invenção da bicicleta.

Ao todo, as exportações de bicicletas na União Europeia chegaram aos 11 milhões de euros no ano passado. Portugal tem uma quota de 15%, o que significa que as exportações portuguesas de bicicletas atingiram os 1,65 milhões de euros em 2016.

O pódio das exportações do velocípede é completado pela Itália (14%) e a Holanda (13%). De todas as bicicletas exportadas por Estados-membros, 92% ficaram dentro do mercado europeu único. As restantes tiveram como destino a Suíça, os Estados Unidos e a Rússia.

Ao nível das importações, a União Europeia importa 17 milhões de euros em bicicletas. O país que mais importa é um que está de saída: o Reino Unido foi responsável por 18% de todas as importações europeias de bicicletas no ano passado. Ou seja, pouco mais de três milhões de euros em importações de bicicletas.

A origem de 42% das importações de bicicletas foi exterior à União Europeia, dividindo-se entre o Taiwan (24%), o Camboja (18%), o Bangladesh (11%) e as Filipinas (10%).

Apesar de a sua origem ser incerta e reivindicada por vários, 1817 é dado como o ano do nascimento da bicicleta. O Eurostat refere o teste ao velocípede de Karl von Drais, um barão alemão, como o momento da invenção daquilo que atualmente se apelida de bicicleta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bicicleta faz 200 anos. Portugal é quem mais a exporta na União Europeia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião