Quem são os novos administradores da TAP?

  • ECO
  • 12 Junho 2017

Lacerda Machado, Frasquilho, Esmeralda Dourado, Ana Pinho, António Menezes e Bernardo Trindade serão os representantes do Estado na administração da companhia aérea.

Está fechada a nova administração da TAP, quer do lado dos acionistas privados, quer do lado do Estado, detentor de 50% do capital da companhia aérea de bandeira. São seis privados e seis representantes do Estado. Saiba quem são.

Os representantes do Estado

Diogo Lacerda Machado

Diogo Lacerda de Machado, acompanhado pelo primeiro-ministro António Costa.ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

É o nome mais polémico desta administração. O “melhor amigo do primeiro-ministro” representou o Governo na renegociação com o Atlantic Gateway, o consórcio privado que detém metade da TAP. Segundo apurou o ECO, António Costa queria que Lacerda Machado fosse o chairman da companhia aérea, mas a pressão política acabou por levar o Governo a nomear Lacerda Machado para vogal da TAP. Para além de ter negociado a nacionalização de parte da TAP, Lacerda Machado também esteve envolvido na entrada da companhia aérea no Brasil, através da Geocapital, uma sociedade de Stanley Ho que entrou com a TAP na antiga VEM (atual TAP Manutenção e Engenharia Brasil), mas acabou por vender a participação à própria TAP.

Miguel Frasquilho

Miguel Frasquilho foi presidente da AICEP desde 2014 até maio de 2017.AICEP

Foi a segunda escolha para chairman da TAP, depois da pressão que se fez sentir para que Lacerda Machado não assumisse esse cargo. Antigo secretário de Estado do Tesouro, ex-deputado do PSD e recentemente saído da liderança da Aicep, vai agora assumir a presidência do conselho de administração da TAP. Consigo, salientou Marques Mendes quando, no comentário semanal na SIC, revelou os novos nomes da administração da TAP, Miguel Frasquilho traz experiência do mundo financeiro e das exportações.

Esmeralda Dourado

Esmeralda Dourado foi, durante dez anos, presidente executiva da SAG Gest, que representa em Portugal as marcas do grupo Volkswagen, cargo que deixou em 2010. Licenciada em Engenharia Química, trabalhou também no Citibank e foi administradora do Fonsecas & Burnay. Recentemente, integrou a direção da campanha presidencial de Marcelo Rebelo de Sousa e chegou a ser apontada para presidente do conselho de administração da Caixa Geral de Depósitos, convite que recusou “por questões pessoais”.

Bernardo Trindade

Bernardo Trindade está à frente do grupo Porto Bay Hotels & Resorts.

Antigo secretário de Estado do Turismo, durante os governos de José Sócrates, entre 2005 e 2011, está à frente do grupo Porto Bay Hotels & Resorts, liderado pelo seu pai, António Trindade. Ao cargo de administrador não executivo da TAP, vai acumular o de presidente da Portugal In, a estrutura de missão que quer atrair investimentos para Portugal, aproveitando a saída do Reino Unido da União Europeia.

Ana Pinho

Ana Pinho vem da Fundação Serralves.

É a atual presidente do conselho de administração da Fundação de Serralves e administradora da Oporto British School. Ana Pinho é do Porto, próxima do presidente da autarquia, Rui Moreira, e já foi administradora executiva do UBS Portugal. Não tem experiência na área da aviação, mas o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, destaca que a economista e gestora tem “extensa experiência na liderança de organizações“.

António Menezes

António Menezes foi presidente da SATA entre 2007 e 2014. Foi também administrador da EuroAtlantic, a companhia aérea do grupo Pestana, e administrador da PrivatAit, entre 2015 e março deste ano.

Os privados executivos

Fernando Pinto

Fernando Pinto ocupa o cargo de presidente executivo da TAP desde outubro de 2000.

Fernando Pinto vai manter-se como o presidente executivo da TAP, cargo que ocupa desde outubro de 2000. Antes de chegar à companhia aérea portuguesa, foi diretor da brasileira Varig, já falida. Chegou também a ser presidente da Associação de Companhias Aéreas Europeias, e presidente do conselho da IATA.

David Neeleman

David Neeleman é dono e fundador da Azul, companhia aérea integrante no consórcio Atlantic Gateway.

O presidente da brasileira Azul é, a par de Humberto Pedrosa, o líder da Atlantic Gateway, o consórcio privado que ficou com 50% da TAP. Com dupla nacionalidade, norte-americana e brasileira, Neeleman assume o cargo de vogal na administração da TAP.

Humberto Pedrosa

Humberto Pedrosa.

A outra cara do consórcio Atlantic Gateway assume o cargo de presidente do conselho de administração da TAP. O presidente e principal acionista da Barraqueiro entrou no setor dos transportes ainda em 1967, com a aquisição e gestão da empresa Joaquim Jerónimo, de transporte rodoviário de passageiros. Desde então, é um dos maiores empresários do setor, chegando a fazer a exploração do Metro do Porto, através da Barraqueiro.

David Pedrosa

O filho de Humberto Pedrosa será vogal na administração da companhia aérea. Entrou no grupo Barraqueiro em 2003 e, desde 2007, é administrador do grupo, onde é responsável pelo controlo financeiro e desenvolvimento de novos projetos. Entre 2001 e 2003, foi auditor na Deloitte.

Trey Urbahn

Vem da equipa de David Neeleman na Azul. Esteve ao serviço da companhia brasileira por oito anos e será agora o chief commercial officer da TAP, que o descreve como tendo “uma vasta experiência na indústria da aviação”. Além da Azul, passou por companhias como a United Airlines, Northwest Airlines, US Airways e OneSky Jet Network.

Representante da HNA

A Hainan Airlines (HNA) também terá um representante na administração da TAP. A companhia aérea chinesa participa no consórcio Atlantic Gateway através da Azul, detendo indiretamente uma participação de 20% na TAP.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quem são os novos administradores da TAP?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião