Portugal volta aos mercados. Taxa a dez anos abaixo dos 3%

Portugal volta aos mercados com um duplo leilão de dívida a cinco e dez anos, isto numa altura em que as taxas estão a tocar mínimos. Os juros a dez anos estão abaixo dos 3%.

Os juros da dívida nacional continuam a descer nos mercados. As taxas estão a tocar mínimos, isto quando Portugal se prepara para mais um leilão de obrigações do Tesouro com o qual pretende obter até 1.250 milhões de euros. A yield a dez anos mantém-se abaixo da fasquia dos 3%.

As taxas estão a recuar há algumas sessões, sendo esta a quinta sessão consecutiva de descida da rendibilidade da dívida de referência, a dez anos. Com a valorização dos títulos, o juro está a cair 1,2 pontos base para 2,937%. Baixou dos 3% no arranque da semana. A cinco anos está a 1,339%.

Esta descida das taxas é importante para Portugal já que o Tesouro conta emitir até 1.250 milhões de euros em obrigações a cinco e dez anos, repetindo a dose do último leilão realizado a 10 de maio. Poderá, assim, reduzir o custo do seu financiamento.

Na última apresentação aos investidores, a agência que gere a dívida pública adiantava que 55% do objetivo de financiamento com obrigações do Tesouro para 2017 já está cumprido, tendo levantado cerca de 15 mil milhões de euros desde o início do ano.

Assim, esta operação de financiamento servirá já para a entidade liderada por Cristina Casalinho assegurar “uma posição de liquidez confortável e pré-financiar as necessidades de 2018″.

Além disso, no final da semana, a Fitch volta a atualizar a notação da dívida portuguesa. A estabilidade do outlook não deixa grande margem para uma subida do rating do nível atual de “BB+”, considerado investimento especulativo. Isto apesar dos vários apelos, tanto nacionais como internacionais, para uma melhoria da notação do país.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal volta aos mercados. Taxa a dez anos abaixo dos 3%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião