Offshore: Transferências serão mais escrutinadas pelo Fisco

  • Rita Atalaia
  • 16 Junho 2017

A partir desta sexta-feira, é obrigatório comunicar ao Fisco as transferências para países fiscais superiores a 12.500 euros. Não só numa operação, mas quando o total de várias excede este montante.

Vai transferir dinheiro para uma offshore? É que a partir de hoje, estas operações vão ser alvo de maior escrutínio por parte do Fisco. Os cidadãos ou empresas estão agora obrigados a comunicar à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) todas as transferências feitas para paraísos fiscais quando o valor em causa supera os 12.500 euros. Estas comunicações têm de ser feitas sempre que se verifiquem transações individuais acima deste valor, mas também quando o valor repartido por várias operações excede o montante.

Esta alteração proposta pela AT, publicada esta sexta-feira em Diário da República, tem como objetivo clarificar “as instruções de preenchimento no sentido de terem de ser reportadas não apenas as transferências individuais superiores a 12 500 euros mas também as operações fracionadas que no seu conjunto excedam aquele montante”.

Por isso, a partir de agora, sempre que reportar estas transferências ao Fisco, terá dois novos campos de preenchimento. “Na sequência das auditorias realizadas ao modelo 38, no sentido de facilitar o controlo da integridade da informação recebida e processada, a AT propôs a inclusão de dois novos campos naquela declaração, indicando o número total e o valor total dos registos“, lê-se no Diário da República.

Já não é a primeira vez que este escrutínio é reforçado. No final do ano passado, começaram a ser aplicadas novas regras para os bancos. As instituições financeiras passaram a estar obrigadas a comunicar ao regulador do setor, o Banco de Portugal, transações para paraísos fiscais sempre que o valor em causa supere os 15 mil euros. Para ser mais eficaz o controlo, mesmo que o valor seja repartido por várias operações, os bancos terão de comunicar ao regulador.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Offshore: Transferências serão mais escrutinadas pelo Fisco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião