Estes oito multimilionários têm metade da riqueza mundial

  • ECO
  • 17 Junho 2017

Há sete mil milhões de pessoas no mundo, mas só estas oito têm mais de metade da riqueza total. O valor combinado da fortuna destes multimilionários ascende a 426 mil milhões de dólares.

A desigualdade entre os mais ricos e os mais pobres não para de aumentar. Há oito multimilionários com uma riqueza combinada de 426 mil milhões de dólares (perto de 380 mil milhões de euros), de acordo com os cálculos da Forbes. Este montante corresponde a quase metade da riqueza de todas as pessoas no mundo, segundo um estudo da Oxfam, citado pelo Business Insider. Conheça os oito multimilionários mais ricos do mundo que, diz a Oxfam, se continuarem a “engordar” as suas contas bancárias a este ritmo poderão tornar-se bilionários dentro de 25 anos.

8 – Bernard Arnault (54 mil milhões de dólares)

O francês é dono da LVMH, a maior empresa de artigos de luxo do mundo e que detém a Louis Vuitton e o Dom Perignon. Em conjunto, as marcas da LVMH registaram 40 mil milhões de dólares (cerca de 36 mil milhões de euros) em vendas em 2016. No ano passado, Bernard Arnault faturou mais 7,1 mil milhões e a sua fortuna estava avaliada em 38,9 mil milhões. Aumentou para 54 mil milhões de dólares.

7. Larry Ellison (54 mil milhões de dólares)

Foi em 1977 que Larry Ellison ajudou a fundar a Oracle. Esta empresa de software foi lançada com um financiamento de apenas dois mil dólares, dos quais 1.200 dólares saíram dos bolsos do gestor. Ellison abandonou o cargo de CEO em 2014, mas continua a estar envolvido com a empresa. A fortuna, essa, continua a crescer. Tem 54 mil milhões de dólares.

6. Mark Zuckerberg (61 mil milhões de dólares)

O CEO da Facebook Mark Zuckerberg fundou a rede social quando estava na faculdade, há 13 anos. Desde então, a empresa não parou de crescer. A fortuna de Zuckerberg está avaliada em 61 mil milhões de dólares. O gestor e a sua mulher, Priscilla Chan, comprometeram-se a doar 99% da sua fortuna depois de morrerem.

5. Carlos Slim Helu (64 mil milhões de dólares)

Carlos Slim Helu controla a maior empresa de telecomunicações da América Latina, a América Móvil. Carlos Slim também tem participações no setor mineiro, imobiliário e consumo — incluindo o The New York Times. O gestor é o homem mais rico no México com uma fortuna avaliada em 61 mil milhões de dólares de acordo com a Forbes.

4. Warren Buffett (76 mil milhões de dólares)

O investidor Warren Buffett é o CEO da Berkshire Hathaway, a “holding” pessoal que investem em mais de 60 empresas. A sua fortuna já está a ser construída há várias décadas, ascendendo a 76 mil milhões de dólares. O gestor tornou-se multimilionário aos 32 anos. Em 2010, Buffett, em conjunto com Bill Gates, criaram a instituição Giving Pledge — prometendo doar pelo menos metade das suas fortunas a instituições de caridade.

3. Jeff Bezos (81 mil milhões de dólares)

O fundador e CEO da Amazon, Jeff Bezos detém quase 17% do capital da empresa. A valorização meteórica das ações da maior retalhista online do mundo tem feito aumentar exponencialmente a fortuna de Bezos. De acordo com a Forbes, a riqueza pessoal está avaliada em 81 mil milhões de dólares.

2. Amancio Ortega (83 mil milhões de dólares)

Amancio Ortega é o homem mais rico na Europa. Ortega, o cofundador da Inditex, dona de lojas como a Zara ou a Pull and Bear, tem uma fortuna avaliada em 83 mil milhões de dólares. O “bolo” contabiliza também o portefólio imobiliário do gestor, que inclui propriedades em Londres, Nova Iorque e Madrid.

1. Bill Gates (88 mil milhões de dólares)

Bill Gates ajudou a fundar a Microsoft em 1975. Desde então, continuou envolvido com a empresa enquanto conselheiro tecnológico e membro do conselho de administração. Gates, cuja fortuna está avaliada em 88 mil milhões de dólares, também tem investimentos em empresas como a Canadian National Railway e a AutoNation, entre outras. Bill Gates e a mulher fundaram a Bill & Melinda Gates Foundation, que tem como objetivo ajudar estudantes desde que entram na escola até ao final do ensino secundário.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estes oito multimilionários têm metade da riqueza mundial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião