Juros portugueses aliviam após revisão da Fitch

Melhoria da perspetiva sobre o rating português suporta a descida das yields da dívida soberana nacional. Os juros nacionais são os que mais recuam na Europa.

Os juros da dívida soberana nacional seguem em queda em todos os prazos, na primeira sessão após a Fitch ter melhorado a perspetiva sobre o rating português. As yields nacionais são as que mais recuam na Europa, com a taxa a 10 anos a reaproximar-se de mínimos de meados de agosto do ano passado.

No prazo a 10 anos, os juros nacionais aliviam 5,4 pontos base, para os 2,865%, aliviando assim após duas sessões de subidas. Movimento similar é apresentado nas restantes maturidades da dívida lusa. A taxa a cinco anos recua 3,3 pontos base, para os 1,219%, enquanto no prazo a dois anos desce 2,3 pontos base, para os 0,07%.

Juros nacionais aliviam

Fonte: Bloomberg

Apesar de não ser muito dilatada, a quebra dos juros nacionais acontece depois de a Fitch ter revisto em alta a sua perspetiva para dívida portuguesa, o que abre a porta a que Portugal possa sair do nível “lixo” ainda este ano. A agência denotação financeira mantém a dívida nacional em nível especulativo classificando-a em BB+, o primeiro nível de lixo, mas mudou a sua perspetiva, de “estável” para “positiva” na passada sexta-feira ao final do dia.

A revisão por parte da agência de notação financeira é suportada nas perspetivas em termos do crescimento económico nacional e da diminuição do défice, apesar de deixar alguns alertas a Portugal.

O alívio dos juros soberanos chega também à dívida espanhola e italiana. A taxa a 10 anos espanhola recua 1 ponto base até aos 1,447%, enquanto a italiana desce 3,2 pontos base até aos 1,954%. Sentido contrário é seguido pelos juros alemães, que sobem na generalidade dos prazos. A 10 anos as bunds sobem perto de 1 ponto base, para os 0,248%.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Juros portugueses aliviam após revisão da Fitch

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião