Fitch: Marcelo confiante na melhoria do rating

  • Lusa
  • 17 Junho 2017

O Presidente da República mostrou-se confiante de que a Fitch vai melhorar o rating da dívida pública portuguesa daqui "por uns meses". Mas alertou para eventuais "deslumbramentos".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, congratulou-se com a “boa notícia” da evolução do outlook do país por parte da Fitch, mas advertiu contra “deslumbramentos”, lembrando que é preciso esperar pela confirmação definitiva da agência de rating e continuar a trabalhar. Marcelo Rebelo de Sousa, que falava aos jornalistas este sábado à margem da cerimónia comemorativa do Dia da Marinha do Tejo, fez uma comparação entre a situação financeira e económica de Portugal e o Tejo: “manter a tradição mas a pensar no futuro”.

“Tivemos ontem com a Fitch a primeira boa notícia de uma agência de rating ao fim de cinco anos e meio, mas é preciso não haver deslumbramentos, as pessoas manterem os pés assente na terra, o trabalho continuar, primeiro porque é preciso confirmar a decisão definitiva da Fitch no fim do ano, depois porque há outras agências de rating a pronunciar-se, depois porque Portugal exige crescimento, emprego, mas redução da dívida e controle do défice, e este equilíbrio vai ter que continuar”, disse.

O Presidente da República destacou a importância deste sinal dado pela Fitch, que “normalmente significa, daí por uns meses, uma mudança de rating. “Se for assim, eu penso que há vários compradores da dívida publica portuguesa que estão à espera dessa mudança para comprar de forma significativa”, acrescentou.

Para o chefe de Estado, isso pode ser uma ajuda: “além da diminuição do défice, além do crescimento da economia, uma ajuda fundamental é se, de repente, já com outro rating, vierem investidores institucionais estrangeiros comprar de uma maneira significativa a dívida pública portuguesa”.

Para o Presidente da República, isso significa que “a dívida pública passa para prazos longuíssimos, com taxas de juro muito mais baixas e aquilo que durante muito tempo foi um pesadelo poder converter-se numa realidade mais fácil de gerir”.

Cauteloso, Marcelo Rebelo de Sousa destacou que as agências de notação financeira não mudam de repente, mudando primeiro a perspetiva — neste caso, de estável para positiva – e só depois de “escalão”, e mostrou-se cauteloso, instando à continuação do trabalho para “consolidar no orçamento para 2018 e para os próximos anos o que foram cinco anos e meio de sacrifício”.

Recordando que maio foi o mês em que o Banco Central Europeu (BCE) comprou o valor mínimo da dívida pública portuguesa, salientou que “já não foi preciso o BCE comprar e mesmo assim as emissões desceram significativamente de juro”.

“Os mercados financeiros percebem quando está a haver uma recuperação financeira e uma recuperação económica. Aqui perceberam e a União Europeia ajudou porque reconheceu publicamente, e quando começaram a perceber, começaram a mudar e, por isso, nós não podemos dizer sequer que tenha havido, nos últimos tempos, muita compra de dívida pública portuguesa por parte do BCE. Para Portugal isso já começou a descer progressivamente e atingiu o ponto mínimo no mês passado”, concluiu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fitch: Marcelo confiante na melhoria do rating

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião