Passos: Avaliação positiva da Fitch “já tinha acontecido antes”

  • Lusa
  • 17 Junho 2017

O ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho está "satisfeito" com a evolução do outlook do país por parte da Fitch, mas alertou: "Não é a primeira vez." Aconteceu em 2015, mas a agência recuou.

O presidente do PSD mostrou-se “satisfeito” com a alteração positiva do rating da dívida pública pela Fitch, mas lembrou que “não é a primeira vez que acontece” e que Portugal já esteve “à bica” de sair do ‘lixo’. Em Paços de Ferreira, a discursar na apresentação dos candidatos autárquicos, Pedro Passos Coelho lembrou que a Fitch, em 2014, colocou a evolução da dívida portuguesa com uma perspetiva positiva, mas que depois baixou novamente para “estável”, o que “para os mais atentos” quer dizer que Portugal perdeu um ano.

O ex-primeiro ministro apontou então as baterias ao Governo, acusando o executivo de ter “perdido muitas oportunidades” por “falta de coragem” e defendeu que é preciso “afrontar a ‘geringonça'” para que Portugal possa ficar melhor. “Eu fiquei satisfeito (…) Mas lembrei-me de que muitas vezes as pessoas fazem as festas, atiram as canas, vão buscá-las e depois esquecem-se de que, se queremos ter uma sequência positiva, temos de trabalhar para ela”, afirmou Pedro Passos Coelho.

Aquela agência de notação financeira melhorou, na sexta-feira, a perspetiva do rating da República Portuguesa de “estável” para “positiva”, abrindo caminho a uma alteração do rating que, para já, continua em BB+’ dentro do grau de “não investimento” (vulgarmente chamado de “lixo”). Segundo lembrou o líder social-democrata, “não é a primeira vez que a Fitch põe a dívida portuguesa com outlook positivo”, fazendo uma resenha da avaliação daquela agência de notação financeira à divida pública nacional.

“No ano em que dissemos adeus à troika e seguimos em frente, a Fitch colocou a dívida portuguesa, como ontem [sexta-feira], com uma perspetiva positiva. Isso já tinha acontecido antes. E ali por setembro de 2015, antes das eleições, disse que ficava a aguardar o que se ia passar com as eleições para depois tomar uma decisão”, disse.

“Já tivemos, portanto, à bica de poder sair do lixo mas a Fitch, em março de 2016, baixou outra vez a perspetiva para estável (…) Isto aos mais atentos deve querer dizer que nós perdemos um ano. Alguma coisa se passou para que, em vez do passo seguinte ter sido tirar Portugal do “lixo”, ter sido voltar a pôr em “estável”, para ver o que se ia passar”, apontou. O presidente do PSD apontou, assim, culpas ao atual Governo pela evolução da denotação de Portugal: “Nós perdemos oportunidades nestes dois anos quase que o Governo leva de vida, e perdemos essas oportunidades porque não houve coragem para pensar no futuro”.

Para Passos Coelho, “só houve interesse em fazer uma retórica fácil de dizer que o que estava para trás era mau e que agora o bom é devolver os rendimentos como se eles não tivessem começado a ser cortados pelo engenheiro Sócrates”. O líder social-democrata alertou ainda para que Portugal “podia estar muito melhor” apontando o caminho para isso. “Nós precisamos de lutar para que o país possa ser muito melhor do que é hoje. Mas para isso é preciso afrontar a geringonça, é preciso mexer nas reformas que temos de fazer, para isso é preciso andar em frente, como só o PSD sabe fazer”, resumiu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Passos: Avaliação positiva da Fitch “já tinha acontecido antes”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião