Preços das casas disparam 8%. Vendas em recorde

Os preços das casas cresceram 7,9% no primeiro trimestre, quando comparados com o período homólogo de 2016. Já o número de casas vendidas aumentou perto de 20%, revelam dados do INE.

O mercado imobiliário está em ebulição em Portugal. No primeiro trimestre deste ano, os preços das casas aumentaram ao ritmo mais acelerado em pelo menos oito anos. De acordo com o Índice de Preços da Habitação, indicador divulgado pelo INE, os preços das casas dispararam 8%, em média, nesse período. Já o número de casas vendidas cresceu em torno de 20%, para um valor recorde.

“No primeiro trimestre de 2017, o IPHab aumentou 7,9% em termos homólogos, prolongando a dinâmica de crescimento de preços que se regista desde o último trimestre de 2013. Esta taxa de variação, superior em 0,3 pontos percentuais (p.p.) à observada no trimestre anterior, é a mais elevada da série disponível”, diz o Instituto Nacional de Estatística (INE).

O forte crescimento dos preços das casas foi acompanhado por um recorde no número de casas vendidas. Nos primeiros três meses do ano foram vendidos em Portugal um total de 35.178 imóveis. Este número é o mais elevado do histórico do INE que remonta ao início de 2009. Este valor corresponde ainda a uma subida de perto de 20% face ao total de 29.464 casas vendidas no mesmo período de 2016.

A acentuada valorização dos preços e o crescimento do número de casas vendidas acontece num contexto de recuperação do mercado imobiliário, assente na melhoria das perspetivas económicas do país, na abertura da torneira do crédito à habitação e do alívio dos spreads oferecidos pelos bancos, mas também na procura de investidores estrangeiros.

No primeiro trimestre deste ano, a economia portuguesa cresceu 2,8%, a taxa mais elevada desde o último trimestre de 2007. Já a nova concessão de crédito à habitação encontra-se em máximos de sete anos, um crescimento que está a ser apoiado pelo alívio dos spreads dos bancos que combinados com os mínimos históricos das taxas de juro levam os portugueses a investirem mais na compra de casa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preços das casas disparam 8%. Vendas em recorde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião