Eurodeputados pedem que investimento no combate aos fogos não conte para o défice

  • ECO
  • 6 Julho 2017

Uma política florestal europeia, um quadro financeiro apropriado à prevenção de catástrofes e a não contabilização dos investimentos na prevenção dos fogos no défice pedem os eurodeputados.

Os eurodeputados portugueses pediram à Comissão Europeia para que os investimentos na prevenção e combate aos incêndios não contem para o défice, revela a Antena 1. que acompanhou o debate esta manhã no Parlamento Europeu sobre os fogos florestais em Portugal e Espanha.

“Precisamos de uma política florestal europeia adaptada às necessidades de cada país, sobretudo os países do sul da Europa, os mais afetados pelas alterações climáticas e os que menos contribuem para o agravamento do seu fenómeno”, sublinhou Nuno Melo do CDS.

"Precisamos de uma política florestal europeia adaptada às necessidades de cada país.”

Nuno Melo

Eurodeputado CDS

Já o eurodeputado social-democrata, Fernando Ruas, sublinha a importância da ajuda dos fundos europeus neste dossier. Uma ajuda que a Comissão Europeia pode dar “através da negociação dos acordos de parceria, nomeadamente dos fundos estruturais ou mesmo através do Plano Juncker“. Fernando Ruas defendeu ainda que a Comissão “pode promover uma maior coordenação e coerência das políticas florestais bem como permitir sinergias com outros setores ligados à gestão florestal ou mesmo às tecnologias de informação”.

O comissário europeu da Ajuda Humanitária, Christos Stylianides, considera que é necessário apostar mais na prevenção. Os eurodeputados portugueses concordam, mas também apontam o dedo à Comissão que já deveria ter feito mais. “Está para aprovação à criação de um quadro financeiro apropriado à prevenção de catástrofes, capaz de financiar ações em domínios como o ordenamento florestal ou a manutenção da atividade agrícola em áreas afetadas pelo despovoamento”, sublinhou o eurodeputado comunista João Ferreira.

"Está para aprovação à criação de um quadro financeiro apropriado à prevenção de catástrofes, capaz de financiar ações em domínios como o ordenamento florestal ou a manutenção da atividade agrícola em áreas afetadas pelo despovoamento.”

João Ferreira

Eurodeputado PCP

Por seu lado, a eurodeputada Marisa Matias lembra que, “em Portugal, a medida mais urgente em matéria de incêndios é fazer o cadastro floresta”. “Está a Comissão disponível para que o Governo português realize uma despesa extraordinária neste âmbito com o máximo de comparticipação possível? Está a Comissão disponível para que essa despesa extraordinária não seja contabilizada para o défice?”, questionou.

"Está a Comissão disponível para que essa despesa extraordinária não seja contabilizada para o défice?”

Marisa Matias

Eurodeputada BE

A pergunta ficou sem resposta por parte do comissário europeu e lembrou que Portugal tem beneficiado de fundos e de apoios para esse efeito. Christos Stylianides considerou ainda que houve uma resposta solidária rápida da União Europeia a Portugal.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Eurodeputados pedem que investimento no combate aos fogos não conte para o défice

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião