Big Smart Cities: Pavnext ganha as estradas de Cascais

  • Ana Batalha Oliveira
  • 12 Julho 2017

A startup portuguesa Pavnext venceu terça-feira o concurso Big Smart Cities. Como prémio, vai poder testar o sistema de prevenção de acidentes e produção de energia nas estradas de Cascais.

Ideias para tornar uma cidade inteligente foram pela quinta vez a concurso em Cascais. Este ano, o concurso Big Smart Cities elegeu a portuguesa Pavnext como grande vencedora, mas destacou ainda três outros projetos que também terão oportunidade de testar as suas soluções pelas ruas da vila.

O primeiro lugar é da portuguesa Pavnext: recebe assim 10.000 euros, incubação no Vodafone Power Labs e uma viagem a Estocolmo para conhecer os polos de inovação da Ericsson — as duas empresas parceiras da autarquia neste projeto.

A solução vencedora tira três benefícios da rotina dos automobilistas. Por um lado, capta a energia cinética que produzem quando se deslocam de carro, que produz energia elétrica a ser utilizada para iluminação pública, por exemplo. Paralelamente, ajuda a reduzir a velocidade e aumenta assim a segurança nas estradas. Por fim, recolhe dados sobre o trânsito e a velocidade.


A 5ª edição do Big Smart Cities atribuiu ainda mais dois prémios de 2.500 euros e uma menção honrosa. A startup Tram Grid ganhou o prémio “Vodafone” com um carregador rápido de veículos elétricos que vai buscar a energia às redes dos elétricos e dos comboios. O prémio “Ericsson” foi atribuído à Smart Forest graças à rede integrada de sensores que entre outros feitos, vem reduzir o risco de incêndio com a informação que consegue captar.

A Menção Honrosa coube à Tibu, criadora de uma aplicação que serve de ponte entre viajantes e locais. Esta distinção foi atribuída com base na opinião do público, que dedicou 760 votos a esta startup — seguida da Eduttia, com 735 votos. Os restantes 18 finalistas (eram vinte no total) ficaram para trás nos votos do público e foi mesmo o júri a colocar a Smart Forest e Tram Grid entre os melhores.

Editado por Mariana de Araújo Barbosa (mariana.barbosa@eco.pt)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Big Smart Cities: Pavnext ganha as estradas de Cascais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião