O “grande e bonito” muro de Trump não cobrirá toda a área

A mais badalada promessa de Donald Trump feita durante a campanha vai ser reduzida a metade. O próprio presidente dos EUA admitiu que o muro não cobrirá toda a fronteira com o México.

A construção do muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México já fez correr muita tinta. Donald Trump garante que são os mexicanos a pagar a fatura — o Estado ou as empresas –, mas propôs cortes duros na despesa norte-americana para poder financiar a construção do muro. Esta quinta-feira, no avião a caminho de Paris, o presidente dos Estados Unidos admitiu que o muro não vai cobrir toda a fronteira, avança a estação pública PBS.

Nas declarações mais assertivas que fez até agora sobre o muro, Donald Trump afirmou que o muro possa ter apenas entre 1.126 km e 1.448 km, em vez de cobrir toda a fronteira estimada em cerca de 3.218 km. Ou seja, uma das mais faladas promessas de campanha de Donald Trump — “o grande e bonito muro, com uma grande e bonita porta” — pode converter-se em metade do que inicialmente foi prometido.

O argumento de Trump é que não é necessário um muro tão grande dado que existem “barreiras naturais”. “Temos montanhas e alguns rios que são violentos”, identificou, referindo que “existem algumas áreas que são tão longe que não se vê pessoas a passar a fronteira aí”. Atualmente já existem 1,046 km de vedação na fronteira entre os EUA e o México.

O presidente dos Estados argumentou também que o muro terá de ser transparente. “Temos de ser capazes de ver para além do muro”, disse, referindo que os agentes de controlo fronteiriço têm de saber quem e que objetos estão do outro lado do muro. Trump reforçou ainda a ideia de que a fronteira será construída por razões de segurança.

Dada a recusa do Governo mexicano em pagar o muro, a Casa Branca anunciou em janeiro que estaria a preparar-se para aplicar um imposto aos bens mexicanos que entram nos EUA de 20%, colocando assim a fatura do lado das empresas. Trump já deu a ordem executiva para o muro ser construído e em fevereiro as autoridades norte-americanas iniciaram a procura de propostas “para o design e construção de vários protótipos de muros nas proximidades da fronteira dos Estados Unidos com o México”.

“Lamento e reprovo a decisão dos Estados Unidos de continuar a construção de um muro que há anos nos divide em vez de nos unir. O México não acredita em muros”, criticou o presidente mexicano também em janeiro, depois da atual administração norte-americana ter tomado posse. “O México oferece e exige respeito como a nação totalmente soberana que é”, disse Enrique Peña Nieto, indicando ainda que ordenou ao Ministério dos Negócios Estrangeiros que reforce as medidas de proteção aos mexicanos que se encontram nos Estados Unidos.

Segundo a Lusa, os congressistas republicanos decidiram incluir no OE do próximo ano os 1.600 milhões de dólares que a Casa Branca solicitou para construir um muro entre os Estados Unidos e o México. De acordo com o projeto divulgado na terça-feira, a proposta do Comité de Apropriações da Câmara dos Representantes também prevê 100 milhões de dólares (cerca de 87 milhões de euros) para a contratação de 500 agentes para as patrulhas fronteiriças e 185,6 milhões para um milhar de agentes migratórios.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O “grande e bonito” muro de Trump não cobrirá toda a área

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião