Porto: Rui Moreira prepara benefícios fiscais municipais

  • Lusa
  • 21 Julho 2017

A pouco mais de dois meses das eleições autárquicas, o presidente do Porto quer avançar com um regulamento para conceder benefícios fiscais em impostos municipais.

A Câmara do Porto quer criar um regulamento para conceder benefícios fiscais em impostos municipais, nomeadamente com a redução do IMI em determinados prédios arrendados, revela uma proposta do presidente Rui Moreira a que a Lusa teve acesso. O documento, que vai ser votado em reunião camarária na próxima terça-feira, e pretende recolher “contributos” no prazo de 15 dias úteis, refere ainda a intenção de reduzir a taxa do Imposto Municipal sobre Imóveis [IMI] “em função do número de dependentes do agregado familiar”, ou para “jovens casais proprietários de imóveis localizados no centro histórico, destinados exclusivamente à habitação própria e permanente e em bom estado de conservação”.

A isenção do Imposto Municipal Sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT) “para as aquisições de prédios urbanos arrendados” e a “discriminação fiscal positiva para proprietários dos prédios de lojas com tradição” é outra das hipóteses referida na proposta, para que o executivo aprove “dar início ao procedimento administrativo de elaboração das normas relativas à concessão de benefícios fiscais, em matéria de impostos municipais”.

O independente Rui Moreira pretende, ainda, obter luz verde para a publicitação da deliberação, bem como para a definição de um prazo de “15 dias úteis para a constituição de interessados e a apresentação de contributos para serem integrados no projeto de regulamento a elaborar”. No documento, o autarca revela que “está a ser realizado um estudo com vista à elaboração das normas regulamentares que visam regular o procedimento de atribuição de benefícios fiscais pelo município do Porto, em matéria de impostos”.

Segundo Moreira, estes benefícios “atenderão necessariamente às políticas públicas e objetivos estratégicos prosseguidos pelo executivo”. O presidente da câmara destaca “o apoio ao arrendamento para fins habitacionais, por via da redução da taxa do IMI, que se pretende conceder aos proprietários de prédios urbanos arrendados, desde que o valor cumpra as regras legais aplicáveis às rendas condicionadas”. Segundo o autarca, “prossegue igual objetivo a intenção de se conceder a isenção do IMT” para as aquisições daqueles prédios urbanos arrendados, “caso se encontre salvaguardada a vigência do contrato de arrendamento pelo período mínimo de cinco anos”.

“Estas medidas inserem-se na estratégia de promoção da densificação populacional da cidade, mediante o aumento da oferta de habitação com rendas controladas aos cidadãos, ou seja, da possibilidade de arrendamento a valor do metro quadrado mais baixo, combatendo assim a pressão imobiliária e a fuga para a periferia e estimulando a fixação de agregados familiares na cidade do Porto”, justifica Moreira. O independente refere que, “no contexto do apoio às famílias, pretende-se introduzir a possibilidade de redução da taxa de IMI em função do número de dependentes que compõem o respetivo agregado familiar”.

A isto soma-se “a isenção deste imposto para os jovens casais proprietários de imóveis, localizados no centro histórico, destinados exclusivamente à habitação própria e permanente e que se encontrem em bom estado de conservação”. Quanto ao “apoio à atividade económica, e como medida de proteção dos estabelecimentos e entidades de interesse histórico, cultural ou social local”, a proposta destaca “a intenção de se proceder à discriminação fiscal positiva para os proprietários dos prédios onde se encontram situadas lojas com tradição na cidade do Porto”.

Nestes casos, é necessário que os proprietários “salvaguardem a continuidade do funcionamento dessas lojas por um período mínimo de quatro anos”. O presidente da câmara esclarece que o estudo que está ser feito nesta área se justifica, “dada a relevância desta matéria na concretização de políticas públicas municipais e a complexidade de interpretação e de conjugação das diversas normas legais vigentes em matéria de fiscalidade municipal”.

O documento acrescenta que a Assembleia Municipal pode, por proposta da câmara, “conceder isenções totais ou parciais, objetivas ou subjetivas, relativamente aos impostos e outros tributos próprios”. Isto, “no pressuposto de interesses públicos relevantes, devendo a sua formulação ser genérica e obedecer ao princípio da igualdade, não podendo ser concedidos por mais de cinco anos, eventualmente renovável, por uma vez, por igual limite temporal”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Porto: Rui Moreira prepara benefícios fiscais municipais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião