Marques Mendes copiou mal. Desemprego baixou para 9,2%

  • Margarida Peixoto
  • 28 Julho 2017

Em tom de antecipação, o comentador tinha dito que a taxa de desemprego de maio, que seria anunciada hoje pelo INE, seria de 9,4%. Mas afinal a taxa de desemprego foi mais baixa: bateu recordes.

A taxa de desemprego em maio ficou em 9,2%, abaixo do valor provisório que tinha sido avançado pelo próprio Instituto Nacional de Estatística (INE), há quase um mês. No seu comentário semanal, na Sic, Marques Mendes tinha dito em tom de antecipação que a taxa que seria anunciada esta sexta-feira pelo INE seria de 9,4% — precisamente o valor provisório. Uma antecipação que não caiu bem no INE.

Marques Mendes estava errado. Falhou por 11,1 mil pessoas: segundo o INE, em maio estavam desempregados 473,7 mil trabalhadores.

“A taxa de desemprego de maio de 2017 situou-se em 9,2%, menos 0,3 pontos percentuais (p.p.) do que no mês anterior e menos 0,7 p.p. em relação a três meses antes. Aquele valor representa uma revisão de menos 0,2 p.p. face à estimativa provisória divulgada há um mês e constitui o valor mais baixo observado desde novembro de 2008 (8,9%),” lê-se no boletim publicado esta manhã.

na previsão para junho, um dado ainda preliminar que está sujeito a revisões, o INE aponta para 9%, o equivalente a 462,6 mil pessoas e novamente menos 11,1 mil pessoas do que em maio.

Desemprego a cair

Fonte: INE

Mais 24,6 mil postos de trabalho num mês

Segundo o INE, de abril para maio foram criados 24,6 mil empregos líquidos. Ou seja, a taxa de desemprego está a baixar não apenas porque há menos desempregados que qualificam como tal (a redução no número de pessoas à procura de trabalho foi de 6,2%, na ordem dos 30,5 mil), mas também porque foram criados novos postos de trabalho.

O mesmo se verificou em termos homólogos: comparando maio de 2017, com maio de 2016, há mais 150,7 mil postos de trabalho. Este tem sido, aliás, um dos trunfos que o Governo de António Costa tem utilizado nas últimas semanas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marques Mendes copiou mal. Desemprego baixou para 9,2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião