Paulo Vistas fez viagem à China paga pela Huawei

  • ECO
  • 28 Julho 2017

A tecnológica chinesa pagou viagem e estadia à China a Paulo Vistas, o presidente da Câmara Municipal de Oeiras. Outros nomes ligados ao PSD também viajaram com a Huawei.

O presidente da Câmara Municipal de Oeiras foi a um congresso sobre smart cities na China a convite da Huawei. Paulo Vistas confirmou essa viagem, realizada em setembro de 2014, esta sexta-feira ao Observador. O jornal também já revelou que a tecnológica chinesa pagou viagens a três dirigentes do PSD. Recentemente, um ano depois da sua divulgação, as revelações do caso Galpgate levaram o Ministério Público a abrir um inquérito para investigar a prática de crimes de recebimento indevido de vantagem.

Se no caso do Galpgate estão envolvidos três secretários de Estado e um deputado do PSD até ao momento, no caso do Huaweigate estão envolvidos nomes ligados ao PSD. É o caso do vice-presidente da bancada parlamentar, Sérgio Azevedo, o vereador do PSD na Câmara de Oeiras, Ângelo Pereira, e ainda o presidente da Junta de Freguesia da Estrela, Luís Newton. E, agora, o nome do independente Paulo Vistas, o atual presidente da Câmara Municipal de Oeiras, também está envolvido no caso.

Vistas recusou qualquer condicionamento, referindo que “Oeiras, enquanto concelho onde estão sedeadas as principais empresas de TIC, gostaria de acolher a Huawei no seu território”. O presidente da autarquia nega que exista problemas éticos, revelando ainda que participou num outro congresso a convite da Philips Lighting Portugal. Porém, Paulo Vistas não foi o único do executivo de Oeiras a rumar à China: meses depois, já em 2015, foi a vez de Ângelo Pereira, o vereador com o pelouro de “Licenciamentos Diversos e Smart Cities”, ir até à China para assistir a conferências sobre o tema.

Ângelo Pereira, que agora é candidato à autarquia nas eleições a 1 de outubro, nega que haja alguma ilegalidade, garantindo que Oeiras não optou por nenhuma solução de smart cities da Huawei. Em resposta ao Observador, a empresa afirmou que se pauta “pelos códigos de conduta e boas práticas do mercado, valorizando o desenvolvimento das TIC em todos os países onde está estabelecida, dinamizando iniciativas ligadas à educação em linha com as suas orientações de responsabilidade social”.

Paulo Vistas foi a um congresso sobre smart cities na China a convite da HuaweiKārlis Dambrāns/Flickr

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Paulo Vistas fez viagem à China paga pela Huawei

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião