Portugal tenta livrar-se do fantasma do Banco Espírito Santo

  • Bloomberg
  • 3 Agosto 2017

Para Portugal, existe um antes e um depois do Banco Espírito Santo.

A queda em desgraça de um dos grupos bancários mais antigos do país e da família que o fundou praticamente apagou os sinais de seu domínio único no país ibérico. O nome do banco já não brilha no alto de um prédio com vista para a Praça Marquês de Pombal, no centro de Lisboa, e o logo da instituição bancária desapareceu das camisas dos jogadores dos três maiores clubes de futebol de Portugal. Três anos depois do colapso do banco, muitos em Portugal só querem virar essa página.

“Portugal era um grande país antes do Banco Espírito Santo e continuará a ser um grande país depois do Espírito Santo”, disse Manuel Oliveira, funcionário de manutenção de um edifício na Praça Marquês de Pombal. “A vida continua.”

Em muitos sentidos, o grupo chegou a simbolizar os excessos que levaram Portugal a pedir um resgate a seus pares da Zona Euro. O Banco Espírito Santo quebrou sob o peso de dívidas incobráveis com empresas controladas pelo Espírito Santo Group, controlado pela família, e foi resgatado pelo Fundo de Resolução do Banco Central a 3 de agosto de 2014.

Os ativos e o nome daquela que é considerada a maior dinastia bancária de Portugal já não estão nas manchetes dos jornais e Ricardo Salgado, que dirigiu o banco por mais de duas décadas, tenta salvar o nome e a honra de sua família.

‘Um príncipe’

Salgado, 73, bisneto do fundador, ajudou a transformar o que começou em 1869 como uma pequena loja de câmbio em Lisboa no maior credor privado de Portugal. Supervisionou a expansão do credor em 25 países, já que sua família abriu dezenas de negócios não-financeiros que vão de uma rede de hotéis em Portugal e no Brasil até uma fazenda de mais de 135.000 hectares no Paraguai.

“Ele parecia um príncipe”, disse João Duque, professor de Finanças do Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa.

Salgado falava com uma voz calma que transmitia confiança e segurança a todos ao seu redor. Ele tinha tudo o que precisava para ter sucesso.

João Duque

Economista

Isso não foi suficiente para salvar a instituição lisboeta de mais de 140 anos do colapso e do esquecimento. O nome na praça principal de Lisboa foi substituído pelas letras do Novo Banco, o credor derivado do Banco Espírito Santo após seu resgate de 4,9 mil milhões de euros.

As equipas de futebol de Portugal procuraram novos patrocinadores, como a Emirates Airlines. A marca do Banco Espírito Santo, que segundo o Brand Finance, era a mais valiosa entre todos os credores do índice PSI20 de Lisboa em 2014, hoje é tratada como uma relíquia. Um punhado de chaveiros, calendários e outros itens com o logótipo BES podem ser encontrados por até 100 euros na loja portuguesa de comércio eletrónico OLX.

Virar a página

O Governo de Portugal disse que espera concluir a venda do Novo Banco à empresa de private equity dos EUA, Lone Star, até novembro. A venda proposta está destinada a virar a página sobre o maior resgate bancário da história do país. Também marcará a maior venda do império do Espírito Santo desde que o grupo de empresas de bancos até hotéis desmoronou em 2014.

“A venda encerraria um capítulo importante num momento em que o setor financeiro de Portugal está a melhorar”, disse Filipe Garcia, economista da empresa de consultoria financeira IMF-Informação de Mercados Financeiros, com sede no Porto, no norte do país. “Mas o acordo ainda não está fechado.”

A maioria dos outros ativos do grupo Espírito Santo foi vendida ou está em processo de liquidação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal tenta livrar-se do fantasma do Banco Espírito Santo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião