A febre do coco: o novo canivete suíço da vida saudável

  • Bloomberg
  • 5 Agosto 2017

Em água, farinha, produtos de beleza e alimentos vegan: há alguma coisa hoje que não tenha coco?

O coco parece estar em tudo, atualmente. Seja como “água” na linha de bebidas Naked, da PepsiCo, como “leite” nos cafés da Starbucks, como champô nos produtos da L’Oréal ou até mesmo como bife nos hambúrgueres veganos da Beyond Meat, a fruta tropical conquistou novos mercados com uma fama cada vez maior de produto saudável e natural.

A popularidade tem sido uma bênção para os preços, pois o custo do óleo de coco mais do que dobrou desde que atingiu um valor mínimo em 2013. Mas isso não se traduziu num aumento da produção porque doenças, desastres naturais e o envelhecimento das plantações mantiveram a produção global estagnada nos últimos dez anos.

Esta situação está prestes a mudar graças a um programa de replantação e reabilitação nos trópicos. A produção de copra, a polpa seca do coco utilizada para fabricar o óleo de coco, deverá crescer mais de 30% na década até 2026, à medida que aumentam os rendimentos dos maiores produtores, segundo um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico e da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO, na sigla em inglês) em 10 de julho.

“O mercado internacional não compra apenas o óleo, que é purificado para fazer óleo de cozinha”, disse Danilo D. Valdez, diretor administrativo da empresa Raco Commodities Phils., em entrevista em 20 de julho. “Também foram descobertos usos para o óleo de coco virgem, para a água de coco e derivados do coco que são muito bons para as pessoas, que foram posicionados para um estilo de vida orgânico e saudável.”

Versatilidade

A chave da popularidade do coco está na quantidade de produtos que um único coco produz. Um coco oferece um alimento com alta energia, um óleo versátil, uma água rica em nutrientes e a fibra de coco, que é usada para fazer corda e roupa de cama. E tudo isst vem dentro de um pacote hermético que ajudou o coco a espalhar-se pelas regiões tropicais do mundo, das Filipinas ao Caribe.

Óleo de coco é um dos produtos-estrela derivados do fruto.Pixabay

Esta versatilidade valeu-lhe o apelido de “canivete suíço” das plantas e transformou-o num produto básico em muitos países. O coco é tão importante nas Filipinas, a maior produtora de copra, que a FAO estima que um quarto dos 100 milhões de habitantes do país dependa de setores ligados a ele.

“Há muita procura em países estrangeiros como a Coreia do Sul e o Canadá”, disse Carlito D Villamayor, que planta coco na província filipina de Quezon, e que agora usa os coqueiros para fazer açúcar de coco em vez de copra porque os preços são mais altos. “Agora recebemos pedidos da China, e temos de aumentar a produção.”

Os investimentos na produção aumentarão a produção de copra em 1,1 milhão de toneladas até 2026, de acordo com o relatório da OCDE e da FAO. Os rendimentos das plantações no Sudeste Asiático aumentarão 15% nesse período graças à replantação de coqueiros envelhecidos e à reabilitação de áreas de cultivo, especialmente em partes das Filipinas e da Indonésia atingidas por tempestades — países que, juntos, fornecem quase três quartos da produção global de copra.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A febre do coco: o novo canivete suíço da vida saudável

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião