Ações dos três grandes nunca deram alegrias aos investidores

Se imaginarmos que investir em bolsa é como uma partida de futebol, então os investidores estão a levar uma goleada com a aposta em ações de Benfica, Porto e Sporting. Amor ao clube pesa na carteira.

Bola volta a rolar este domingo na Liga portuguesa.Pexels

Para lá dos altos e baixos das emoções que Benfica, FC Porto e Sporting proporcionam aos adeptos dentro das quatro linhas, o desempenho dos três grandes na bolsa sempre se pautou por um tom negativamente monótono desde que as ações das respetivas SAD se estrearam no mercado. Na verdade, nenhuma SAD portuguesa pagou sequer dividendos aos acionistas. Mas isso pouco parece importar para o investidor que compra títulos apenas por amor ao seu clube.

É um facto. Desde a estreia em bolsa que os três principais clubes nunca deram grandes alegrias aos investidores, independentemente das conquistas dentro de campo. Em 2001, o Benfica vendeu ações ao público em geral a 5,24 euros e aos sócios por 4,98 euros. Apesar de só terem sido admitidas à negociação em 2007, quem comprou os títulos dos atuais campeões nacionais no início do milénio contabiliza perdas de 80% com esse investimento.

Eduardo Silva, gestor de ativos da XTB Portugal, sublinha que “o racional risco/retorno pode ser discutível, mas não significa que é capital que não possa valorizar”. “Os resultados desportivos são o fator com maior peso. Basta vermos que a época de sonho da Juventus resultou na maior valorização de um título de clube de futebol na Europa, com uma subida de 264% desde o início da temporada. Os jogadores valorizam e as ações acompanham”, explica.

No caso português, essa ligação não é tão evidente e é amor à camisola que faz o investidor esquecer, por exemplo, os prejuízos de 90% e 85% que FC Porto e Sporting também registam desde que as SAD se iniciaram no mercado de ações em 1998 e 1999, respetivamente, em desempenhos patrocinados por reduzidos volumes de transações a que nenhum clube escapa.

"O racional risco/retorno pode ser discutível,mas não significa que é capital que não possa valorizar. Os resultados desportivos são o fator com maior peso. Basta vermos que a época de sonho da Juventos resultou na maior valorização de um título de clube de futebol na Europa com uma subida de 264% desde o início da temporada. Os jogadores valorizam e as ações acompanham.”

Eduardo Silva

Gestor de ativos da XTB Portugal

Três grandes perdem na bolsa

Fonte: Bloomberg (valores em euros)

Além das ações, o mercado de capitais tem-se revelado uma boa fonte de financiamento das SAD nos últimos anos, como forma de fintar a contração do mercado de financiamento dos bancos nos anos de crise.

Através do recurso a empréstimos obrigacionistas, Benfica e FC Porto já conseguiram levantar 95 milhões de euros só este ano, com juros de 4% e 4,25%, respetivamente, taxas bastante mais elevadas face à generalidade dos produtos de poupança disponíveis, refletindo o grau de risco que estes títulos comportam.

E quem comprou estas obrigações fê-lo mais numa lógica racional, assegura Eduardo Silva, embora o lado emocional também tenha pesado em função do elevado risco de incumprimento que representam estes títulos de dívida.

“As obrigações são um investimento. Com os juros, face à perceção de risco ultrapassam o fator amor, é normal que adeptos de um clube comprem obrigações de outro clube considerando a perceção de risco/retorno”, considera aquele analista.

“Mas nas ações é diferente… o retorno não é evidente e o clubismo tem um peso maior“, frisa.

"As obrigações são um investimento. Com os juros, face à perceção de risco ultrapassam o fator amor, é normal que adeptos de um clube comprem obrigações de outro clube considerando a perceção de risco/retorno. Nas ações é diferente, o retorno não é evidente e o clubismo tem um peso maior.”

Eduardo Silva

Gestor de ativos da XTB Portugal

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Ações dos três grandes nunca deram alegrias aos investidores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião