Tensões entre Washington e Pyongyang enervam Wall Street

Trump prometeu "fogo e fúria" caso Coreia do Norte continue a ameaçar os EUA. Aumento do risco provoca queda das bolsas, com investidores a refugiarem-se no ouro.

Coreia do Norte é o tema dominante dos mercados. A reação de Trump face aos últimos desenvolvimentos em Pyongyang está a provocar uma onda vendedora em Wall Street, depois de o Dow Jones ter atingido máximos de sempre no início da semana.

Esta terça-feira, o Presidente norte-americano avisou a Coreia do Norte de que deverá enfrentar “fogo e fúria” se o regime ameaçar os EUA. Em reação, Pyongyang disse que está a considerar disparar mísseis em Guam, uma ilha do Pacífico com ligações aos EUA.

Neste cenário, enquanto índices como o industrial Dow Jones e o de referência mundial S&P 500 perdem 0,30% e 0,32% e o tecnológico cai 0,72%, o ouro, considerado um ativo de refúgio quando há um maior sentimento de aversão ao risco, valoriza 0,89% para 1.272,2 euros.

“As tensões geopolíticas aumentaram a perceção de risco entre os investidores”, referiu Naeem Aslam, analista da Think Markets, à Reuters. “Os comentários de Trump sobre a Coreia do Norte criou algum nervosismo e o receio tem sobretudo a ver com o que o Presidente tenha querido dizer com “fogo e fúria”. O que acontece nestes casos é assistirmos a uma fuga dos investidores nos ativos de refúgio, e por isso temos uma recuperação do preço do ouro”, acrescentou.

"As tensões geopolíticas aumentaram a perceção de risco entre os investidores.Os comentários de Trump sobre a Coreia do Norte criou algum nervosismo e o receio tem sobretudo a ver com o que o Presidente tenha querido dizer com “fogo e fúria”. O que acontece nestes casos é assistirmos a uma fuga dos investidores nos ativos de refúgio, e por isso temos uma recuperação do preço do ouro.”

Naeem Aslam

Think Markets

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tensões entre Washington e Pyongyang enervam Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião