Olx do Facebook chega a Portugal

  • Ana Batalha Oliveira
  • 16 Agosto 2017

O Marketplace é uma nova funcionalidade do Facebook que permite aos utilizadores vender e comprar itens entre si, tal como no Olx.

Ainda não há data marcada, mas o Facebook já anunciou a expansão da funcionalidade Marketplace para 17 países europeus, entre os quais Portugal. A rede social de Mark Zuckerberg lança assim um espaço que vem facilitar a atividade de compra e venda que tem vindo a crescer em grupos de Facebook. Funciona de forma semelhante ao portal português de vendas online Olx, com a diferença de que não oferece qualquer solução de pagamento.

Mais de 450 milhões de pessoas utilizam grupos de Facebook para vender e comprar itens online, um número que continua a crescer, conta a rede social em comunicado. Por esta razão, o Facebook decidiu lançar o Marketplace, uma funcionalidade que visa facilitar este tipo de contactos entre a comunidade. A grande vantagem é que na rede social é mais fácil identificar o comprador através das informações no perfil, que indica por exemplo os amigos em comum. A aplicação estará acessível na barra menu do Facebook.

A página do Marketplace abre com fotos dos itens que se encontram à venda próximos da localização do utilizador. Os resultados podem ser filtrados de acordo com a localização, categoria ou preços desejados. O artigo escolhido pode ser guardado e consultado mais tarde, e vem acompanhado de uma descrição do produto e do vendedor. A partir do momento em que o utilizador decida comprar, pode enviar uma mensagem ao vendedor para acordarem os termos da compra — o Facebook não terá nenhum método de pagamento disponível.

O Marketplace já estava disponível em sete países: EUA, Austrália, Canadá, Chile, México, Nova Zelândia e Reino Unido. A expansão europeia, para além de Portugal, abrange a Áustria, Bélgica, Republica Checa, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Hungria, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Países Baixos, Noruega, Espanha, Suécia e Suíça.

Esta não é a única novidade na rede social de Mark Zuckerberg. Recentemente, foi também anunciada a criação da funcionalidade Watch, através da qual o Facebook vai investir em conteúdos próprios em vídeo, concorrendo diretamente com a plataforma Youtube. Contudo, a estreia desta aplicação na Europa não foi ainda anunciada.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Olx do Facebook chega a Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião