Como os Governos manipulam o Facebook e o Twitter

  • Bloomberg
  • 22 Julho 2017

Táticas de manipulação da informação nas redes sociais são empregadas tanto por regimes autoritários como por governos eleitos democraticamente, revela estudo.

Governos de todo o mundo estão a recrutar “soldados cibernéticos” que manipulam o Facebook, o Twitter e outras redes sociais para direcionar a opinião pública, disseminar desinformação e minar críticos, segundo um novo relatório da Universidade de Oxford.

Neste estudo que amplia as evidências sobre os esforços promovidos pelos governos para utilizar ferramentas online para influenciar a política, os investigadores descobriram que 29 países usam as redes sociais para orientar opiniões, tanto localmente quanto do público estrangeiro. As táticas são usadas por regimes autoritários, mas também por governos eleitos democraticamente, segundo os autores.

“As redes sociais tornam as campanhas de propaganda muito mais fortes e possivelmente mais efetivas do que antes”, disse Samantha Bradshaw, autora principal do relatório e pesquisadora do Projeto de Pesquisa de Propaganda Computacional da Oxford. “As pessoas não percebem o quanto os governos estão a usar essas ferramentas para chegar até elas. Trata-se de algo muito mais escondido”.

O comportamento online dos grupos apoiados pelo governo varia amplamente, desde comentários em posts no Facebook e no Twitter até ao foco individual em pessoas. Os jornalistas são assediados por grupos governamentais no México e na Rússia, e na Arábia Saudita soldados cibernéticos inundam as mensagens negativas sobre o regime publicadas no Twitter com conteúdo e hashtags não relacionados, para que o post ofensivo seja mais difícil de encontrar. Na República Checa, é mais provável que o governo poste um trabalho de análise de factos em resposta a algo que considere impreciso, segundo o relatório.

"As redes sociais tornam as campanhas de propaganda muito mais fortes e possivelmente mais efetivas do que antes. Acho que as pessoas não percebem o quanto os governos estão a usar essas ferramentas para chegar até elas. Trata-se de algo muito mais escondido.”

Samantha Bradshaw

Autora principal do relatório e investigadora do Projeto de Pesquisa de Propaganda Computacional da Oxford

Os governos também utilizam contas falsas para mascarar a origem do material. Na Sérvia, contas falsas são usadas para promover a agenda do governo e no Vietname autores de blogues disseminam informações favoráveis. Enquanto isso, atores governamentais na Argentina, no México, nas Filipinas, na Rússia, na Turquia, na Venezuela e em outras partes utilizam softwares de automação — conhecidos como bots — para propagar posts nas redes sociais de uma maneira que imita utilizadores humanos.

“Os soldados cibernéticos são um fenómeno omnipresente e global”, disse o relatório publicado pelo grupo, que estuda como as ferramentas digitais são usadas para manipular a opinião pública.

A propaganda é uma arte obscura usada há tempos pelos governos, mas as ferramentas digitais estão a tornar as técnicas mais sofisticadas, segundo Bradshaw. A autora disse que nos últimos anos os governos perceberam a maneira em que os ativistas têm usado as redes sociais para disseminar uma mensagem e construir apoio e estão a adotar alguns métodos semelhantes. Ferramentas online como softwares de análise de dados permitem que os governos adaptem uma mensagem de forma mais efetiva a grupos específicos de pessoas, maximizando seu impacto.

Bradshaw afirmou que, apesar de a Rússia e os regimes autoritários receberem a maior parte da atenção sobre a manipulação das redes sociais, as democracias ocidentais têm usado técnicas similares. No Reino Unido, o Exército Britânico criou a 77.ª Brigada em 2015 em parte para realizar operações psicológicas usando redes sociais. Bradshaw disse que os governos democráticos não são transparentes em relação aos esforços de propaganda digital.

“Estão a usar as mesmas ferramentas e técnicas que os regimes autoritários”, disse Bradshaw. “Talvez os motivos sejam diferentes, mas isso é difícil de afirmar sem transparência”.

"Estão a usar as mesmas ferramentas e técnicas que os regimes autoritários. Talvez os motivos sejam diferentes, mas isso é difícil de afirmar sem transparência.”

Samantha Bradshaw

Autora principal do relatório e investigadora do Projeto de Pesquisa de Propaganda Computacional da Oxford

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Como os Governos manipulam o Facebook e o Twitter

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião