Renault dá mais argumentos para Captur(ar) condutores

É grande a concorrência nos crossovers do segmento B, mas a Renault vai à frente. O Captur é um sucesso. Um novo? Ainda não. Uma renovação que reforça os argumentos do pequeno SUV.

As linhas que fizeram do Captur um sucesso de vendas são as mesmas, mas há algumas novidades no crossover da fabricante francesa que lhe dão um ar mais “fresco”. São pequenos detalhes estéticos no exterior, mas também novos argumentos no interior, que prometem continuar a capturar condutores.

O que salta à vista, logo à partida, é a assinatura luminosa do Captur que agora tem faróis dianteiros full LED. E na parte inferior do para-choques, o Captur recebe os faróis diurnos de LED em forma de C, tal como os restantes modelos da Renault. Na traseira, os faróis também estão mais limpos, dando uma imagem mais atual ao modelo lançado inicialmente em 2013.

Mas se por fora são as luzes que fazem a diferença — já que mantém-se a pintura bi-tom, embora com novas cores –, é no interior que se encontram as principais novidades neste pequeno SUV. A Renault reviu tanto os painéis das portas como os botões, introduziu cromados e deu um novo toque ao volante e à alavanca da caixa de velocidades.

Ao mesmo tempo, a consola central conta com novos espaços de arrumação, enquanto o painel de bordo integra o ecrã tátil de sete polegadas seja com o Media Nav Evolution, a proposta para a entrada de gama, ou o Renault R-LINK Evolution, presente na versão ensaiada pelo ECO. Tem rádio, navegação, visualização de fotos, vídeos, mas também acesso aos sistemas de ajuda à condução.

Alma diesel (com novas propostas a gasolina)

Se esteticamente, mas também em termos de conforto e tecnologia, há novos argumentos, a marca francesa introduziu também novidades debaixo do capot… a gasolina. Ao TCe de 90 cv junta-se agora um 1.2 que debita 120 cv de e 205 Nm de binário a partir das 2.000 rotações, recorrendo à tecnologia de injeção direta, turbocompressor e Stop & Start.

Mas o diesel mantém-se. O dCi de 90 e também o de 110 cv, presente na versão XMOD ensaiada pelo ECO — esta versão vem equipada com o Grip Control, um sistema de controlo de tração, que proporciona uma maior aderência em condições de circulação mais difíceis (neve, lama, areia…). É muito motor para um automóvel destas dimensões.

Muito motor, poucos consumos

O Captur com o motor de 110 cv é muito solícito, evitando o recurso frequente à caixa de seis velocidades (também há uma caixa automática de dupla embraiagem EDC). Uma resposta rápida com consumos que se mostraram comedidos (em torno dos seis litros), sendo ainda mais baixos se se acionar o botão Eco que impõe uma condução mais cuidada. Mesmo sem o Eco ativo, há uma luz no painel que o alerta para o tipo de condução que está a fazer.

Juntam-se assim novos argumentos à mesma qualidade, mas também ao conforto de condução de um automóvel que faz sucesso nas cidades pela posição mais elevada. Mas o preço não muda muito. Este novo Captur, que já está à venda, está disponível a partir de
18.080 euros (o TCe de 90 na versão base), sendo que para a versão testada a fatura é um pouco mais elevada: 25.630 euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Renault dá mais argumentos para Captur(ar) condutores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião