NYT: Portugal, a máquina de lavar dinheiro angolano

  • ECO
  • 22 Agosto 2017

Na preparação das eleições presidenciais angolanas, o jornal norte-americano faz o retrato da evolução da relação estratégica entre Portugal e Angola.

De colonizador a colonizado, de dominador a máquina de lavar dinheiro. É assim que o New York Times define a evolução da relação estratégica entre Portugal e Angola, com Portugal a assumir o papel principal. Na preparação das eleições presidenciais angolanas, a decorrerem esta quarta-feira, o jornal norte-americano faz o retrato (acesso condicionado) desta relação, não deixando de fora nomes como Isabel dos Santos e Álvaro Sobrinho.

Na reportagem Portugal Dominated Angola for Centuries. Now the Roles Are Reversed, o jornal aponta dados que mostram Angola como um dos países mais corruptos do mundo e Portugal como um país “relaxado” no que diz respeito ao branqueamento de capitais. É feita depois a ligação entre ‘a fome e a vontade de comer’: “as condições dos dois países criaram uma combinação perfeita”, pode ler-se na reportagem. Condições que se estendem também à situação socioeconómica dos países, com Portugal a recuperar da crise financeira e Angola a prosperar com o dinheiro do petróleo.

"As condições dos dois países criaram uma combinação perfeita.”

The New York Times

Portugal Dominated Angola for Centuries. Now the Roles Are Reversed

Em declarações ao jornal, Ana Gomes, eurodeputada do PS, afirma que “em Angola, chamam Portugal a lavandaria” e Mira Amaral, antigo gestor do BIC e do BFA, garante que “é fácil de justificar o dinheiro” que Isabel dos Santos põe em Portugal, “porque tem várias e grandes empresas em Angola”.

Falar de Angola é falar de Isabel dos Santos

Os negócios da filha do presidente angolano em Portugal não são deixados de lado. O New York Times sinaliza a variedade de áreas em que está envolvida: “A filha mais velha do presidente de Angola, Ms. dos Santos, 44, tem comprado posições ou controlado os diamantes, os telemóveis, a banca e outras indústrias angolanas ao longo dos anos”, escreve o jornal. E ainda que em Portugal, Isabel dos Santos passe a imagem de selfmade woman, em Angola isto não é assim.

“Em Angola, a história dos ovos [que Isabel dos Santos tinha começado a vender ovos aos 6 anos] alimentou escárnio e ira”, continua. A presidência da Sonangol, a presença em eventos mundiais e as constantes campanhas de marketing de imagem também são focadas nesta peça.

Por fim, a ligação entre Portugal e Angola é feita através do “respeito” que em Portugal, “alguns angolanos encontraram”, e “perderam”. É assim referida a passagem de Álvaro Sobrinho pelo BESA, que culminou na investigação por apropriação indevida de fundos e gestão danosa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

NYT: Portugal, a máquina de lavar dinheiro angolano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião