Justiça portuguesa reconhece recuperação judicial da Oi Móvel

  • Lusa
  • 22 Agosto 2017

O Tribunal de Lisboa reconheceu a recuperação judicial, formulado no Brasil, da Oi Móvel.

A Justiça portuguesa reconheceu a decisão que aprovou o pedido de recuperação judicial da Oi Móvel, empresa do Grupo Oi, no Brasil, informou hoje a Pharol em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A Pharol (antiga PT SGPS), que detém cerca de 27% da Oi, divulgou a informação da operadora brasileira, que afirmou ter tido conhecimento na segunda-feira “de sentença proferida em 09.08.2017 pelo Juízo de Comércio de Lisboa – Juiz 5 do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa, por meio da qual foi reconhecida, com relação à Oi Móvel S.A. – Em Recuperação Judicial, a decisão que deferiu o processamento do pedido de recuperação judicial formulado no Brasil”.

 

Em 30 de junho de 2016, a Justiça do Rio de Janeiro aceitou o pedido de recuperação judicial da operadora de telecomunicações brasileira Oi, que não conseguiu negociar um total de 65,4 mil milhões de reais (19,6 mil milhões de euros) em dívidas.

O deferimento foi dado ao pedido apresentado pelo Grupo Oi, composto pelas empresas Oi, Telemar Norte Leste, Oi Móvel, Copart 4 e 5 Participações, Portugal Telecom e Oi Brasil.

Em 26 de janeiro, a operadora brasileira iniciou um programa para tentar chegar a um acordo com as empresas constantes da lista de credores.

O prejuízo da Oi aumentou para 3,5 mil milhões de reais (950 milhões de euros) no primeiro semestre deste ano.

No primeiro semestre, a empresa-mãe agravou os seus prejuízos para 950 milhões de euros no primeiro semestre. A queda de 32,9% dos resultados levou também a um aumento considerável da dívida, que é atualmente superior a 12 mil milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Justiça portuguesa reconhece recuperação judicial da Oi Móvel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião