CaixaBI: Venda das revistas da Impresa é “um passo necessário”

Banco indica que decisão da Impresa de alienar ativos no setor das revistas é "um passo necessário" no sentido de "uma maior desalavancagem" do grupo. Deadline da venda é até ao final do ano.

A Impresa IPR 3,70% quer vender a maioria das revistas do grupo até ao final do ano, ou então fechá-las. A notícia foi conhecida esta quarta-feira e surpreendeu o mercado, provocando uma pressão vendedora sobre as ações da companhia. Ao que o ECO apurou, no segmento de publishing, a Impresa só deverá ficar com o Expresso e a Caras. Para o CaixaBI, este “reposicionamento estratégico” é “um passo necessário”.

O banco de investimento da Caixa Geral de Depósitos emitiu uma nota de research esta quinta-feira onde faz referência às ações da Impresa. A analista Helena Barbosa começa por apontar para a queda homóloga de 6,6% nas receitas deste segmento, que inclui revistas como a Visão, e que se fixaram em 22,3 milhões de euros no primeiro semestre do ano. A dívida líquida do grupo era, no final deste período, de 189,1 milhões de euros.

Face a este cenário, a analista não tem dúvidas: “O reposicionamento estratégico ao nível do setor das revistas surge como um passo necessário tendo em vista uma maior desalavancagem da Impresa”, lê-se no relatório. Isto, somando a desistência de uma emissão de obrigações em julho, em que a dona da SIC pretendia angariar até 35 milhões de euros, alegando alterações no setor — ou seja, o anúncio da venda da concorrente TVI à Meo/Altice. O ECO soube, na altura, que o verdadeiro motivo foi a pouca procura por parte do mercado.

O reposicionamento estratégico ao nível do setor das revistas surge como um passo necessário tendo em vista uma maior desalavancagem da Impresa.

Helena Barbosa

Analista do CaixaBI

A Impresa confirmou esta quarta-feira as intenções de reduzir a sua “exposição ao setor das revistas”, passando a focar-se essencialmente nas “componentes do audiovisual e do digital”. Ao que o ECO apurou junto de fontes próximas da empresa, em causa está a venda de títulos como as revistas Visão ou a Blitz, entre outras. Cerca de 200 postos de trabalho estarão em risco, segundo números avançados pelo Sindicato dos Jornalistas.

As ações do grupo chegaram a cair 10,22% na sessão desta quinta-feira. A sangria na bolsa acalmou ligeiramente e, pelas 10h20, as ações desvalorizavam 8,36% para 29,6 cêntimos, com um volume de transações superior a 747.600, acima da média diária de 597.552 títulos. Apesar de tudo, o CaixaBI mantém a recomendação de “Buy” sobre os títulos do grupo de media português, com um preço alvo de 30 cêntimos.

Cotação das ações da Impresa na bolsa de Lisboa (PSI Geral)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CaixaBI: Venda das revistas da Impresa é “um passo necessário”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião